Atletismo

15-01-2015 16:53

IAAF abre inquérito a alegada violação da suspensão de campeã olímpica

A atleta foi controlada positivamente por endurobol e está suspensa até fevereiro de 2016.
Lashmanova
Foto: ALEXANDER NEMENOV

A atleta foi controlada positivamente por endurobol

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

A Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) anunciou esta quinta-feira a abertura de um inquérito no seguimento de informações que davam conta da presença da marchadora russa Elena Lashmanova, que está suspensa, numa prova de pista coberta.

Lashmanova, campeã olímpica de 20 km marcha e entretanto suspensa por dois anos por dopagem, terá participado - segundo o site italano Marca dal Mondo, que publica uma fotografia - numa prova de 5.000 metros, em Saransk (Rússia), a 30 de dezembro de 2014.

Segundo a Marca del Mondo, as fotografias, entre as quais a do pódio, com Lashmanova no primeiro lugar, "não dão lugar a qualquer equívoco", mesmo que o nome da atleta não apareça na folha de resultados oficiais.

Caso os factos sejam provados, Lashmanova, de 22 anos, arrisca-se a uma suspensão suplementar, cuja duração pode ser igual à da pena inicial, o que impediria a campeã olímpica e mundial de 2013, em Moscovo - bem como recordista mundial de 20 km marcha - de defender o título no Rio 2016.

A alegada competição de Lashmanova acontece apenas quatro dias depois de se ter verificado uma mudança na direção do Centro de Preparação Olímpica de Marcha Viktor Chyogin, em Saransk (República Autónoma da Mordóvia, na Rússia), com a antiga marchadora internacional Olga Kaniskina a render Viktor Kolesnikov, um dos fundadores do centro e seu diretor durante 19 anos.

Kaniskina é a mais medalhada marchadora dos últimos tempos: campeã olímpica em 2008, vice-campeã em 2012 (atrás de Lashmanova), tricampeã do mundo (Osaka 2007, Berlim 2009, Daegu 2011) e campeã europeia em Barcelona 2010, depois de ter sido segunda nos europeus de Gotemburgo de 2008, entre outras medalhas.

Victor Kolesnikov foi um dos envolvidos na polémica à volta da utilização de substâncias e métodos dopantes por atletas daquele centro, estando atualmente a cumprir ele próprio quatro anos de suspensão, na sequência de decisão tomada pela Agência Russa Antidopagem (Rusada) em novembro passado.

Na investigação desenvolvida, a Rusada detetou indícios que apontavam para um esquema de dopagem sistemática envolvendo as principais figuras daquele centro de treino.

A situação de Lashmanova a competir nos Campeonatos de Marcha Atlética da República da Mordóvia em pista coberta é apenas mais um caso a afetar a imagem do centro de Saransk.

Ainda no Verão passado, Victor Chyogin - o lendário treinador que dá nome ao Centro de Saransk - foi afastado da delegação russa aos Europeus de atletismo de Zurique, mas tal decisão não o impediu de acompanhar na Suíça, a título particular, os atletas por si treinados, mostrando-se a partir de certo momento com o traje oficial da seleção da Rússia.

O Centro Olímpico de Saransk registou nos últimos anos uma vintena de casos de suspensão de marchadores por dopagem, a maior parte deles relativos a atletas sob orientação técnica de Viktor Chyogin.

Conteúdo publicado por Sportinforma