Atletismo

13-03-2017 13:05

Atleta paralímpico entra como lebre e ganha maratona de Barcelona

Kipkemoi foi contratado para fazer de lebre na prova e o combinado era correr até aos 35 km.
Jonah Kipkemoi
Foto: Lusa

Jonah Kipkemoi

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

O queniano Jonah Kipkemoi venceu a Maratona de Barcelona prova que celebrou os 25 anos da realização dos Jogos Olímpicos de 1992 naquela cidade. A vitória do queniano acabou por ser uma surpresa para todos já que é atleta paralímpico e esta foi a sua primeira maratona.

Jonah Kipkemoi é atleta paralímpico, tendo participado nos Jogos Olímpicos Londres2012, onde foi oitavo na prova dos 1500 metros e sexto nos 800 metros na categoria T46, (deficientes físicos com incapacidade em alguma extremidade ou falta dela). Em criança o queniano sofreu queimaduras no lado direito da cara e no braço direito, o que o deixou com mazelas físicas.

Kipkemoi foi contratado para fazer de lebre na prova e o combinado era correr até aos 35 km, de acorod com o jornal espanhol ´El Pais`. Numa prova com mais de 20 mil corredores de 132 países, um dos grandes aliciantes era ver quem iria bater o recorde da maratona de Barcelona. O trabalho de Kipkemoi, tal como Hillary Kepchumba e Jacob Cheshari Kiru (lebres da prova) era puxar pelo etíope Sisay Jisa Mekonnen, principal favorito, para que este baixasse o recorde da prova, que está fixado em 2h 07mn 30s.

Só que, pelo meio, aconteceram alguns imprevistos que possibilitaram a vitória de um atleta paralímpico na sua primeira maratona. Antes de a prova iniciar, um dos favoritos desistiu. O outro que restava, Sisay Jisa Mekonnen, desistiu, deixando caminho livre para Kipkemoi vencer. As lebres imprimiram um ritmo frenético na prova mas ninguém teve pernas para Kipkemoi que, depois do quilómetro 35, continuou a correr até cortar a meta, conta o ´El Pais`.

"Tinha corrido provas de meia maratona e tinha-me saído bem, mas não esperava esta marca. Estou realmente surpreendido", disse Kipkemoi, em declarações citadas pelo ´El Pais`.

"Estou feliz por ganhar aqui em Barcelona a minha primeira maratona. Não esperava vencer, vim como lebre, não estava previsto terminar mas ao quilómetro 35 vi que não tinha rivais e ainda tinha forças", completou, antes de subir ao pódio.

Na prova feminina, Hellen Bekele bateu o recorde da prova, com uma marca de 2:25.04 horas, tirando mais de quatro minutos ao seu anterior recorde pessoal (2:29.21).

"Pensava que a minha compatriota Tsegaye Melesech [Etiópia], com melhores marcas do que eu ia ganhar, mas disparei a oito quilómetros para o final. Ela ficou para trás, e senti-me bem graças à ‘lebre’ que me foi acompanhando. Pensei que ia ficar a quatro minutos da minha marca pessoal", contou a vencedora.

A 39.ª edição da maratona de Barcelona acabou por ser especial, por ter sido celebrado o 25.º aniversário dos Jogos Olímpicos de 1992, com os seis medalhados na prova a estarem presentes na partida.

Em 1992, o coreano Hwang Young-cho e a russa Valentina Yegorova sagraram-se campeões olímpicos da maratona, à frente do japonês Koichi Moroshita e do alemão Stephan Freigang e da japonesa Yuko Arimori e da neozelandesa Lorraine Moller, respetivamente.

Conteúdo publicado por Sportinforma