Atletismo

03-05-2017 18:49

Federação Portuguesa de Atletismo estranha proposta de anular recordes pré-2005

Proposta da Associação Europeia de Atletismo coloca em risco várias marcas de atletas portugueses.
Rosa Mota
Foto: AFP

Rosa Mota conquistou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Seul em 1988

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

A Federação Portuguesa de Atletismo (FPA) disse hoje estranhar a proposta da Associação Europeia de Atletismo (EAA) de anular os recordes europeus anteriores a 2005, uma vez que não foi debatida na Convenção do organismo com as federações nacionais.

“A FPA estranha a divulgação pública de uma proposta desta natureza sem que a mesma tenha sido debatida na Convenção da EAA com todas as federações membro”, adiantou o organismo português em comunicado.

No entanto, a FPA considera que a medida “até pode ser interessante, uma vez que atua sobre recordes que podem ter sido obtidos com recurso a substâncias proibidas”, ainda que seja, ressalvam, “sempre uma injustiça para os atletas limpos, que ao perderem os seus recordes são tratados como se fossem atletas dopados”.

O organismo recordou a implementação do Programa Educacional Antidopagem, em 2008 para apontar a “prevenção e investigação à origem dos casos existentes” como o tema que deve recolher “a preocupação das instituições internacionais com responsabilidade na matéria”.

“Esta proposta, a ser aprovada, não assegura que a partir de agora todos os resultados obtidos o sejam de forma ‘limpa’”, acrescentou.

A hipótese de apagar os recordes europeus anteriores a 2005 é “uma solução radical”, considerou, na segunda-feira, o presidente do organismo, o norueguês Svein Arne Hansen, mas que visa acabar com “as dúvidas que pairam há demasiado tempo” sobre a legitimidade dos recordes.

A proposta foi adotada este fim de semana numa reunião do Conselho de EAA e surgiu na sequência do trabalho de uma comissão criada em janeiro: “Precisamos de uma ação decisiva para restaurar a credibilidade e confiança”.

Neste sentido, todos os recordes antes de uma data, a ser definida, seriam incluídos na categoria ‘velhos recordes da Europa’, com o objetivo de ter os desempenhos menos propensos a dúvidas quanto à sua obtenção com possível recurso ao doping.

A proposta ser vai submetida à Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) que a considerará na reunião do seu conselho, em agosto.

“Para que esta proposta seja adotada nos recordes mundiais, precisamos de um acordo global. Avançar significaria reconhecer que colocámos em prática sistemas antidoping mais fortes e seguros nos últimos 10-15 anos”, disse Sebastien Coe, presidente da IAAF, que participou na reunião.

Conteúdo publicado por Sportinforma