Basquetebol

14-07-2017 16:55

Seleção de Angola falha Afrobasket de sub-16 por falta de dinheiro

Sem dinheiro para viajar para as Ilhas Maurícias, a comitiva angolana da seleção de basquetebol sub-16 vai falhar o Afrobasket.
Sub-16 angolano falhou Afrobasket por falta de dinheiro
Foto: D.R.

Sem dinheiro para viajar para as Ilhas Maurícias, a comitiva angolana da seleção de basquetebol sub-16 vai falhar o Afrobasket.

Por Pereira Francisco sapodesporto@sapo.pt

Foi devido à falta de verbas que a selecção nacional de basquetebol masculina, em sub-16, falhou o Afrobasket da categoria, prova que está a decorrer desde o dia 13 e que finda a 22 Julho, nas Ilhas Maurícias, refere uma fonte anónima ligada à Federação Angolana de Basquetebol (FAB) ao SAPO.

A mesma fonte revelou ainda que a FAB não tinha dinheiro para comprar os bilhetes de passagens para a delegação com mais de 15 pessoas, bem como para hospedagem e suportar outras despesas naquele país, tendo ainda adiantado que o conjunto já estava a trabalhar há algum tempo em Luanda, onde também estavam previstos mais jogos de preparação.

Entretanto, a ausência do combinado no Afrobasket em sub-16 desanima os praticantes de basquetebol no país, assim como os fãs, uma vez que os jovens precisam de mais jogos internacionais para ganhar experiência.

Com isso, o presidente da Associação Provincial de Basquetebol da Huíla, Henriques Albano, deu voz à sua insatisfação na Rádio Cinco.

"Se não estivermos agora neste Campeonato Africano, tira-nos a possibilidade de estarmos noutros eventos internacionais. Angola é um país de destaque no basquetebol e é muito triste quando isso acontece, porque nós somos muito fortes e queremos estar entre os grandes países do mundo! Infelizmente, acreditamos que há que melhorar esta organização em termos de preparação de selecções, porque preparar uma selecção não é de um momento para o outro, leva tempo", desabafou o dirigente.

Henrique Albano sabe que o país atravessa momentos difíceis, mas defendeu que é necessário preparar-se antecipadamente em todos os aspectos: “Um país quando se organiza em condições tem tempo para tudo, o dinheiro aparece quando nós preparamos a selecção antecipadamente. Agora, organizar uma selecção num curto espaço de tempo, é lógico que o dinheiro não aparece”.

Além disso, o dirigente avançou que o seu elenco acredita que a FAB vai analisar a situação com muito cuidado, uma vez que as selecções nacionais dificilmente falham nas provas internacionais.

Por fim, Henriques Albano elogiou o combinado em sub-19, que ocupou o 13º lugar no Mundial da categoria, decorrido este mês em terras dos faraós, no Egipto, onde deixou a sua marca diante de adversários “gigantes”, nomeadamente Itália e Estados Unidos, que suaram para vencer.

Conteúdo publicado por Sportinforma