Ciclismo

03-05-2017 23:32

Volta a Itália cancela introdução de polémico prémio de melhor ciclista em descida

A prova italiana chega na sexta-feira às 100 edições e decorre até 28 de maio.
Volta a Itália
Foto: LUK BENIES / AFP

A prova italiana chega na sexta-feira às 100 edições e decorre até 28 de maio.

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

Os organizadores da Volta a Itália anunciaram hoje o cancelamento do prémio de melhor ciclista em descida, que seria introduzido pela primeira vez na edição que arranca na sexta-feira, depois da polémica gerada em torno da decisão.

Em comunicado, a direção do Giro explicou que o intuito da medida era premiar o mérito desportivo dos melhores ciclistas em descida em 10 das 21 etapas, e nunca “colocar em questão a segurança dos atletas”.

Ainda assim, considera que “a modalidade escolhida podia dar lugar a mal entendidos e favorecer comportamentos e condutas fora de linha” e perigosos, em reação às críticas de vários setores ligados ao ciclismo.

O prémio propunha atribuir prémios monetários e uma classificação por pontos aos melhores em ‘downhill’, medida agora cancelada, ainda que os tempos sejam cronometrados durante as descidas e disponibilizados publicamente.

A prova italiana chega na sexta-feira às 100 edições e decorre até 28 de maio, com a presença do campeão em título, o italiano Vincenzo Nibali (Bahrain-Mérida), que hoje anunciou que vai vestir uma camisola com 100 estrelas, assinalando o número de edições da ‘corsa rosa’.

O vencedor em 2013 e 2016 disse que não quer “esconder-se” e que a intenção de “terminar no pódio” é conhecida.

“Ganhar é muito difícil, e eu sou supersticioso”, atirou o italiano, de 32 anos, que elogiou o “grande valor” dos adversários, destacando que o colombiano Nairo Quintana (Movistar) é “o primeiro”.

O siciliano, conhecido como o ‘tubarão de Messina’, mostrou ainda vontade de vencer a subida ao Etna, na quarta etapa, para poder chegar no dia seguinte à sua terra natal com a ‘rosa’, de líder da classificação geral, vestida.

Nibali, que venceu a Volta a Espanha em 2010 e a Volta a França em 2014, lembrou ainda o antigo colega de equipa Michele Scarponi, que morreu atropelado durante um treino a 22 de abril.

“Pensamos nisso a toda a hora, especialmente quando estamos a correr. Pensamos na sua família e tentamos estar próximos deles”, revelou.

No Giro participarão três portugueses, todos em estreia na corrida italiana: o campeão do mundo em 2013 Rui Costa, que vai liderar a UAE Team Emirates, o campeão português de estrada José Mendes (Bora Hansgrohe) e José Gonçalves (Katusha).

Conteúdo publicado por Sportinforma