Ciclismo

27-05-2017 18:43

Volta a Itália decide-se no 'crono' de domingo

O francês Thibaut Pinot (FDJ) venceu hoje a 20.ª e penúltima etapa da Volta a Itália.
France's Thibaut Pinot (2nd R), Germany's Tony Martin (3rd R) and Poland's Rafal Majka (4th R) ride in a breakaway as fans cheer and wave French national flags during the 184 km eighth stage of the 103rd edition of the Tour de France cycling race on July 9, 2016 between Pau and Bagneres-de-Luchon. / AFP PHOTO / jeff pachoud
Foto: AFP or licensors

Thibaut Pinot em ação

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

O francês Thibaut Pinot (FDJ) venceu hoje a 20.ª e penúltima etapa da Volta a Itália em bicicleta, liderada pelo colombiano Nairo Quintana (Movistar), que terá de defender a ‘rosa’ no ‘crono’ da última etapa.

O ciclista francês cumpriu os 190 quilómetros da tirada em 4:57.58 horas, com o russo Ilnur Zakarin (Katusha Alpecin) no segundo lugar e Vincenzo Nibali (Bahrain-Mérida) em terceiro.

Quintana acabou em quinto, com o mesmo tempo do vencedor, mantendo a liderança da geral, com 39 segundos de vantagem sobre Nibali e 43 face a Pinot.

Tom Dumoulin (Sunweb) foi 10.º, cedendo 15 segundos para o colombiano, que tem agora 53 segundos de vantagem sobre o holandês, que é um especialista no contrarrelógio e favorito à vitória na última etapa, tendo já vencido o ‘crono’ da 10.ª etapa, ainda que a diferença entre os primeiros seis corredores da geral seja de apenas 1.30 minutos, margem mais curta da história do Giro à entrada para o último dia.

A ligação entre Pordenone e Asiago, a última etapa de montanha da ‘corsa rosa’ deste ano, começou com uma fuga de seis corredores, que enfrentaram a subida ao Muro de Ca’ del Poggio, com Filippo Pozzato (Willier Triestina – Selle Italia) a destacar-se, num grupo que chegou a ter seis minutos de avanço.

O primeiro a ‘quebrar’ o controlo da Movistar sobre o pelotão foi o russo da Katusha Alpecin, que foi imediatamente seguido por Nibali e Quintana.

A 23 quilómetros da meta, Zakarin apoiou-se em Domenico Pozzovivo (AG2R La Mondiale) e os dois descolaram, ainda que Quintana, Nibali e Pinot tenham alcançado o duo.

Para trás, ficou Dumoulin, bem como outros ciclistas do ‘top 10’, como Adam Yates (Orica-Scott), Bauke Mollema (Trek Segafredo) e Bob Jungels (Quick-Step Floors), num grupo que viria a perder 15 segundos para a frente da corrida.

Nos últimos metros, e apesar de um ataque de Pozzovivo, que acabou em quarto, Pinot impôs-se a Zakarin e Nibali, segundo e terceiro, respetivamente, para cortar primeiro a meta em Asiago.

Quanto aos portugueses, o mais bem posicionado na tirada foi o campeão luso de estrada José Mendes (Bora-Hansgrohe), que terminou na 21.ª posição a 4.18 minutos de Pinot, o que lhe valeu um ‘salto’ de 11 posições na tabela geral, para o 49.º lugar, a mais de duas horas de Quintana.

Rui Costa (UAE Emirates), que procurou integrar uma fuga que lhe permitisse chegar à vitória, que lhe escapou já em três etapas em que terminou em segundo lugar, acabou por perder muito tempo ao terminar na 104.ª posição, cedendo mais de meia hora e caindo para o 27.º posto, mesmo depois da desistência de Steven Kruijswijk (Lotto NL),que abandonou antes da etapa e era 10.º à geral.

José Gonçalves (Katusha Alpecin) teve como missão apoiar Zakarin na etapa, acabando a tirada no 57.º posto e subindo três lugares na geral, para 60.º.

A 100.ª edição do Giro termina no domingo, num contrarrelógio individual, que liga Monza a Milão em 29,3 quilómetros.

Conteúdo publicado por Sportinforma