Giro/Volta a Itália

28-05-2017 19:10

Dumoulin deu a primeira vitória à Holanda

Tom Dumoulin (Sunweb) venceu, este domingo, a 100.ª edição da Volta a Itália em bicicleta.
Grio d'Italia - 19th stage
Foto: Lusa

Dumoulin, ciclista holandês em ação

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

Tom Dumoulin (Sunweb) venceu hoje a 100.ª edição da Volta a Itália em bicicleta, ao terminar em segundo o ‘crono’ da última etapa, dando a primeira vitória na prova à Holanda.

A derradeira tirada da ‘corsa rosa’ foi vencida pelo também holandês Jos van Emden (Lotto NL-Jumbo), que cumpriu a ligação de 29,3 quilómetros entre Monza e Milão em 33.08 minutos, batendo o vencedor da geral por 15 segundos.

Com o segundo posto no contrarrelógio, Dumoulin, que havia liderado do 10.º ao 18.º dias, ultrapassou o anterior camisola rosa, o colombiano Nairo Quintana (Movistar), que caiu para segundo, ao terminar a tirada a 1.24 minutos do vencedor.

Por seu lado, o italiano Vincenzo Nibali (Bahrain Mérida), vencedor da edição de 2016, terminou em terceiro na geral, com Thibaut Pinot (FDJ) em quarto e Ilnur Zakarin (Katusha Alpecin) em quinto.

À entrada para o último dia, o colombiano tinha 53 segundos de vantagem para o holandês, que provou ser demasiado forte no contrarrelógio e conquistou a primeira grande Volta da carreira e deu o primeiro triunfo no ‘Giro’ à Holanda.

“Foi genial, é uma loucura. Não consigo descrevê-lo com palavras. Foi um dia carregado de nervos. Precisava de estar calmo e quase não foi possível. Dei tudo pelo triunfo e consegui. Agora não sei o que pensar”, explicou, no final da prova, a ‘borboleta de Maastricht’, de 26 anos.

A derradeira tirada do ‘Giro’ trazia contornos históricos: nunca, nas 99 edições anteriores, havia tão pouco tempo a separar os seis primeiros corredores, que distavam apenas 1.30 minutos.

Ainda assim, performances desapontantes de Pinot e Zakarin, bem como de Pozzovivo, retiraram maior incerteza da etapa, sendo que a maior questão seria como o favorito Dumoulin, especialista em ‘cronos’, iria correr depois de ter ‘sofrido’ nas etapas de montanha às mãos dos rivais.

No final de um dia quente, entre os 28 e 31 graus, o chefe de fila da Sunweb terminou com 31 segundos sobre Quintana e 40 face a Nibali, depois de ter saído do circuito automobilístico de Monza para ser ‘coroado’ na Plaza del Duomo, no centro de Milão.

A camisola da juventude terminou nas costas de Bob Jungels (Quick-Step Floors), com o luxemburguês a ‘roubar’ a classificação também no último dia, ao britânico Adam Yates (Orica-Scott), enquanto o colega de equipa colombiano, o ‘estreante’ Fernando Gaviria, levou para casa a camisola dos pontos, depois de ganhar quatro etapas ao ‘sprint’.

A Movistar, de Quintana, conquistou a classificação por equipas, enquanto a montanha ‘coroou’ o espanhol Mikel Landa (Sky).

José Gonçalves (Katusha Alpecin) foi o melhor dos portugueses no derradeiro dia da ‘corsa rosa’, ao terminar em 24.º, a 1.36 minutos de van Emden, enquanto o campeão luso de estrada José Mendes (Bora Hansgrohe) foi 41.º, a 2.06, e Rui Costa (UAE Emirates) 42.º a 2.15.

Na geral, o campeão do mundo em 2013 terminou na melhor posição, no 27.º posto, a 1:33.17 horas do vencedor, enquanto José Mendes subiu para 48.º no último dia e José Gonçalves manteve o 60.º posto.

Depois das emoções do ‘Giro’, as atenções do pelotão internacional viram-se para a 104.ª Volta a França, a próxima grande Volta, que arranca em Dusseldorf (Alemanha) a 01 de julho, terminando em Paris, a 23 de julho.

Conteúdo publicado por Sportinforma