Ciclismo

10-06-2017 15:47

Kennaugh venceu sétima etapa do Dauphiné e Porte reforçou liderança

orte, que vem apresentando excelente forma a menos de um mês do início da Volta a França, cortou a meta em sexto e ganhou tempo aos seus adversários diretos.
Australia's Richie Porte (3rdL) rides with his teammates of the USA's BMC Racing cycling team during the 146 km nineteenth stage of the 103rd edition of the Tour de France cycling race on July 22, 2016 between Albertville and Saint-Gervais Mont Blanc, French Alps. / AFP PHOTO / KENZO TRIBOUILLARD
Foto: AFP or licensors

Richie Porte manteve a liderança do Critério de Dauphiné

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

O ciclista britânico Peter Kennaugh (Sky) venceu este sábado a sétima e penúltima etapa do Critério do Dauphiné, numa chegada ao Alpe d'Huez, onde o australiano Richie Porte (BMC) reforçou a condição de líder.

Porte, que vem apresentando excelente forma a menos de um mês do início da Volta a França, cortou a meta em sexto e ganhou tempo aos seus adversários diretos, exceto o dinamarquês Jakob Fuglsang (Astana), que terminou com o mesmo tempo.

A uma jornada do final, o britânico Chris Froome (Sky) perdeu mais de 20 segundos para o seu ex-colega e manteve o segundo lugar da geral, mas ficou a 1.02 minutos e diminuiu as hipóteses de voltar a subir ao pódio final vestido de amarelo, como em 2013, 2015 e 2016. Além disso, tem Fuglsang, terceiro classificado, somente a 13 segundos.

Mas os maiores festejos da sétima tirada couberam a Peter Kennaugh, que obteve uma das mais importantes vitórias da sua carreira no topo do emblemático Alpe d'Huez, depois de ter deixado para trás o seu compatriota Ben Swift (UAE Emirates), último companheiro de uma longa fuga.

Kennaugh destacou-se na companhia de Swift na última grande dificuldade do dia, a inédita subida de Sarenne, uma contagem de montanha de categoria especial que antecedeu a chegada ao Alpe d'Huez, também ele abordado por uma vertente incomum, já relativamente perto do topo.

Prestes a completar 28 anos, Kennaugh cumpriu os 167,5 quilómetros de percurso iniciado em Aoste em 4:43.59 horas, 13 segundos à frente de Ben Swift, enquanto o espanhol Jesus Herrada (Movistar) foi terceiro, a 1.11 minutos, seguido do belga Jelle Vanendert (Lotto Soudal), a 1.13, e do francês Romain Bardet (AG2R La Mondiale), a 1.14.

Porte foi o seguinte, à frente dos restantes favoritos: Fuglsang, Andrew Talansky (Cannondale-Drapac), Alberto Contador (Trek-Segafredo), Fabio Aru (Astana), Daniel Martin (Quick-Step Floors), Alejandro Valverde (Movistar) e Froome, triplo vencedor do Tour, que foi 15.º, com 25 segundos de atraso para o australiano.

Num dia marcado pelo abandono de Tiago Machado (Katusha Alpecin), André Cardoso (Trek-Segafredo) manteve-se como único representante português e foi o 'escudeiro' de Contador na fase mais difícil da etapa, terminando em 27.º, a 3.24 minutos. Na geral, subiu três lugares, para 25.º, a 9.21 do líder.

No domingo, a oitava etapa, que sai de Albertville, tem apenas 115 quilómetros, mas termina no Plateau de Solaison, onde a meta coincide com contagem de montanha de categoria especial, depois de passagens em Saisies (1.ª), Aravis (2.ª) e Colombière (1.ª).

Conteúdo publicado por Sportinforma