Futebol/Angola

13-05-2017 19:39

Libolo com missão de "salvador" nas Afrotaças

A partir de domingo, em Calulo, os libolenses iniciam uma campanha que pode ajudar o país a regressar às 12 melhores equipas africanas.
Recreativo do Libolo

Recreativo do Libolo

Por SAPO Desporto c/ Angop sapodesporto@sapo.pt

A exibição do Recreativo do Libolo na fase de grupo da Taça da Confederação Africana em Futebol será uma alavanca para o relançamento de quatro equipas angolanas nas competições africanas.

A partir de domingo, em Calulo, os libolenses iniciam uma campanha que pode ajudar o país a regressar às 12 melhores equipas africanas, de onde as formações angolanas caíram na época de 2015.

Para chegar à fase de grupo, o tetracampeão do Girabola deixou para trás o Ngezi stars do Zimbabwe com saldo de 2-1 e CNAPS do Madagáscar ao beneficiar de empates a um golo no reduto adversário e outro nulo no estádio de Calulo.

A única representante angolana nas afrotaças, entra assim no histórico de conjuntos nacionais que atingiram esta fase de grupo com realce para o Petro de Luanda (nas edições de 2004 e 2006) e o Santos FC que fez história ao apurar-se após eliminar na 3ª fase o "poderoso" Al-Alhy do Egipto, por 6-5, aos penaltis, depois de devolver a goleada de 3-0, no estádio dos Coqueiros, o mesmo resultado com que perdera no Cairo, na época de 2009.

No entanto, dados da competição apontam o Interclube como tendo em dois anos consecutivos (2011 e 2012) chegado à fase de grupo. Em 2011, o ponto mais alto, atingiu as meias-finais, em que foi afastada pelo Maghreb de Fés do Marrocos (2-1 e 0-1).

Sem qualquer título conquistado, o país esteve representado pela primeira vez numa final, em 1994, por intermédio do 1º de Maio de Benguela que perdeu o troféu diante do Bendel Insurance da Nigéria, com vitória (1-0), na primeira mão e derrota 0-3 consentida no terreno do opositor.

Três anos depois (1997), foi a vez do Petro de Luanda a atingir a final, mas perdeu a taça para o Esperance de Túnis.

O médio Paulo Silva, na altura, foi o autor do único tento que ditou o triunfo na primeira mão, no entanto foi insuficiente para superar o desaire de 0-2, averbado no duelo de resposta em Túnis.

Na época de 1993, o Atlético Sport Aviação (ASA) também se qualificou às meias-finais, mas não transitou à outra fase, após derrota (1-3) e empate (0-0) frente ao Simba da Tanzânia.

Outras formações angolanas que já estiveram igualmente envolvidas na Taça CAF são o Sagrada Esperança, 1º de Agosto, Académica do Lobito, Rangol, Sonangol e Benfica de Luanda.

Conteúdo publicado por Sportinforma