Futebol

04-04-2017 16:22

Linha ofensiva do Canelas 2010 a contas com a polícia

Sete avançados do Canelas 2010 com cadastro policial relacionado com violência e tráfico de droga.
Canelas 2010 festeja golo

Fernando Madureira celebra um golo pelo Canelas 2010 juntamente com Marco Gonçalves

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

Sete dos nove avançados do Canelas 2010 já tiveram problemas com a polícia e têm cadastro criminal relacionado com tráfico de droga e agressões, escreve o jornal Correio da Manhã na sua edição de terça-feira.

De acordo com o referido diário generalista, a maioria dos avançados do Canelas 2010 já tiveram problemas com a polícia, e respondem, ou já responderam por diversos crimes: que vão desde o tráfico de droga até a agressões e casos de violência.

Se no caso de Marco Gonçalves, o número 10 do Canelas 2010 foi ontem ouvido por um juiz que decidiu aplicar-lhe a medida de coação de proibição de contactar com árbitros e entrar em recintos desportivos, já Fernando Madureira tem um longo historial nos registos criminais da polícia. O líder dos 'Super Dragões' mais conhecido por 'Macaco' já foi investigado nos mais diversos processos. Desde tráfico de droga, há mais de uma década, até agressões, Fernando Madureira já foi detido pela polícia e condenado em situações de violência sempre relacionadas com o fenómeno desportivo.

Outro dos avançados do Canelas 2010 é Carlos Silva, mais conhecido por'Aranha'. O antigo número 2 de Madureira está afastado de competição por estar em prisão domiciliária e aguarda por acusação até ao próximo dia 14 de maio, data em que expira a prisão domiciliária. O número 2 dos 'Super Dragões' está envolvido no processo conhecido como Jogo Duplo.

Referenciados em processos por tráfico de droga estão ainda os jogadores Fábio Rola e Marco Santos, conhecido como 'Kaká'. Vítor Hugo, conhecido por 'Verrati', tem 22 anos. Mas também há tem 'ficha policial'. Há pelo menos um registo de agressões na Escola Infante D. Maria, no Porto, quando ainda era menor. Márcio Guedes, o sétimo avançado, está referenciado num caso também de agressões. Foi em 2015, num jogo entre o Senhora da Hora (Matosinhos) e o Crestuma (em Gaia). Ainda não foi julgado.

Conteúdo publicado por Sportinforma