França

09-07-2016 13:43

Deschamps: "Portugal tem muita qualidade e não chegou aqui por acaso"

Selecionador francês diz que Portugal tem ambição “legítima” de vencer a prova.
Didier Deschamps
Foto: FRANCK FIFE / AFP

Didier Deschamps, selecionador francês

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

O selecionador francês de futebol, Didier Deschamps, afirmou hoje que Portugal tem "legitimidade" para ambicionar conquistar o Euro2016 e frisou que "não foi por acaso" que a seleção portuguesa chegou à final de domingo.

"A equipa de Portugal tem muita qualidade e não chegou aqui por acaso. Apesar de ter enfrentado algumas dificuldades no início, ultrapassou todas as etapas e está na final", começou por dizer.

Deschamps, que falava em conferência de imprensa de antevisão da final do Europeu, que será disputada entre Portugal e França, no Stade de France, em Saint-Denis, destacou a qualidade da formação lusa, sobretudo "o triângulo defensivo" e as "duas setas" no ataque.

"É uma equipa muito experiente, bem organizada e que consegue modificar o sistema de jogo mediante o adversário. Tem um triângulo defensivo muito sólido, com Pepe, José Fonte e William Carvalho, além de outros jogadores como Cédric e o Raphael Guerreiro. Depois, têm Cristiano Ronaldo e Nani no ataque, que são muito talentosos", referiu.

Apesar de considerar que Portugal "não é uma equipa que suba muito no campo", o técnico, de 47 anos, salientou a velocidade que o conjunto luso imprime nas "transições".

O ex-internacional francês, que participou nas conquistas do Mundial1998 e do Euro2000, este último depois de eliminar Portugal nas meias-finais, recusou, por outro lado, comparar a equipa portuguesa de 2000 com a atual.

"Em 2000, eles eram muito fortes e foi muito difícil para nós, mas isso foi há 16 anos. Agora estão na final e não é por acaso. Merecem estar na final e acho legítimo que ambicionem ser campeões da Europa", afirmou o antigo médio e 'capitão' dos 'bleus'.

Didier Deschamps elogiou ainda Cristiano Ronaldo, admitindo que será necessário "limitar a influência" da principal figura de Portugal.

"É um jogador impressionante. Tem uma enorme capacidade atlética e no jogo aéreo. Ele sobe e fica lá em cima. Quando se olha para os abdominais dele, percebe-se que aquilo não surge por acaso. Não sei se alguém já inventou uma fórmula anti-Ronaldo, mas sei que precisamos de estar atentos e limitar a influência dele no jogo", analisou.

O técnico mostrou-se "muito orgulhoso" com o percurso da França neste Europeu e admitiu que a equipa terá de "agarrar esta oportunidade", por disputar a final em casa.

"Os jogadores estão perfeitamente cientes de que têm o privilégio de disputar este título de campeão da Europa aqui, em Paris, na própria casa. É um momento excecional. É um privilégio e uma oportunidade única, porque está em causa um troféu", sublinhou.

Por outro lado, o antigo jogador de Marselha, Juventus, Chelsea, entre outros, rejeitou que os 'bleus' estejam pressionados a vencer este Campeonato da Europa.

"Há dois anos que nos estamos a preparar para isto e, finalmente, chegámos à final. Não podemos fazer 'filmes' na cabeça. Acho que os jogadores estão prontos e vão jogar como têm jogado", concluiu, antes de lamentar o pouco tempo de recuperação, após a meia-final de quinta-feira, com a Alemanha: "São dois dias de recuperação. Preferia ter mais um dia, mas é assim."

Portugal e França disputam a final do Euro2016, no domingo, a partir das 21:00 locais (20:00 em Lisboa), no Stade de France, em Saint-Denis, num encontro que será dirigido pelo inglês Mark Clattenburg.

Conteúdo publicado por Sportinforma