Internacional

04-09-2016 22:54

Polónia deixa escapar vantagem de 2-0 no Cazaquistão

O empate 2-2 da Polónia no Cazaquistão, depois de ter estado a vencer por 2-0, foi o resultado mais surpreendente dos jogos de hoje da zona europeia de qualificação para o Mundial2018, na Rússia.
Polónia-Cazaquistão

Polónia-Cazaquistão

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

Tudo parecia encaminhar-se para uma vitória tranquila da seleção polaca, eliminada por Portugal nos quartos de final do recente Euro2016, na marcação de penáltis, que, aos 35 minutos, já vencia por 2-0, após uma entrada assertiva na partida do grupo E de qualificação para o Mundial 2018.

Bartosz Kapustka abriu o marcador aos nove minutos e o ponta de lança do Bayern de Munique Robert Lewandoski, de penálti, colocou a Polónia a vencer por 2-0 e com o caminho desbravado para o triunfo.

No entanto, o Cazaquistão nunca 'deitou a toalha ao chão' e a seguir ao intervalo entrou disposto a 'vender cara a derrota', perante uma Polónia que cometeu o pecado da sobranceria de quem pensou que o destino do jogo já estava traçado.

O avançado cazaque Sergei Khizhnichenko marcou dois golos no espaço de sete minutos, aos 51 e 58, restabelecendo a igualdade e fazendo a equipa e o entusiasta público local a acreditar que ainda era possível vencer, face a uma Polónia que pareceu sempre inadaptada ao relvado sintético.

Os empates caseiros da República Checa e da Roménia frente à Irlanda do Norte e a Montenegro, dos grupos C e E, respetivamente, por 0-0 e 1-1, também foram inesperados, mas só para quem não viu os jogos.

Depois de uma primeira parte em que os irlandeses estiveram mais perto do golo, a seguir ao intervalo os checos criaram e desperdiçaram algumas oportunidades soberanas de marcar, e só podem queixar-se da sua incompetência na finalização das jogadas.

Quanto à Roménia, denotou grandes dificuldades para romper o sólido bloco defensivo de Montenegro e só chegou ao golo aos 85 minutos, por Adrian Popa, mas dois minutos volvidos o avançado do Inter de Milão Stevan Jovetic restabeleceu o empate, a dar o melhor seguimento de cabeça a um cruzamento em que nem precisou de tirar os pés do chão.

Em relação ao Grupo C, a superfavorita Alemanha cumpriu a obrigação e foi a Oslo vencer a Noruega por uma confortável vitória 3-0, na qual a grande figura foi Thomas Muller, com dois golos, aos 15 e 60 minutos, e uma assistência para outro, de autoria do lateral direito do Bayern Joshua Kimich, aos 45.

Por seu lado, o Azerbaijão somou três pontos na deslocação a San Marino, graças a um golo solitário do avançado Ruslan Qurbanov, em cima do intervalo.

Quanto ao grupo E, além da surpresa decorrente do empate da Polónia em Astana e do empate caseiro da Roménia frente a Montenegro, de destacar as dificuldades sentidas pela Dinamarca para ultrapassar, em Copenhaga, a Arménia, que só não conseguiu evitar o golo do médio do Tottenham, de Inglaterra, aos 17 minutos.

No Grupo F, a Inglaterra, na estreia oficial do novo selecionador, Sam Allardyce, venceu a Eslováquia, em Trnava, com um golo do médio do Liverpool Adam Lallana aos 90+5, numa partida que já se previa equilibrada, a despeito do favoritismo que recaía sobre os ingleses.

De resto, as duas seleções já se tinham defrontado na fase de grupos do Euro2016, tendo-se registado um nulo na altura.

Noutro jogo do grupo, a Lituânia cedeu um empate a dois golos em Vilnius, frente à Eslovénia, depois de ter estado a vencer por 2-0 ao intervalo, mas acabaria por permitir que os eslovenos marcassem dois golos na parte final da partida, aos 77 e aos 90+3 minutos.

Finalmente, a Escócia fez o que tinha a fazer ao golear Malta em Ta’Qali, por 5-1, mas ainda apanhou um susto quando, aos 13 minutos, o maltês Alfred Effiong fez o 1-1, numa partida em que o destaque foi para o médio do Hull City, da I Liga inglesa, Robert Snodgrass, autor de um ‘hat-trick’.

Conteúdo publicado por Sportinforma