Futebol

22-03-2017 13:04

Leonardo Jardim: "No Sporting a prioridade era ganhar depois de um sétimo lugar"

Técnico português recordou a sua passagem por Alvalade para falar da necessidade de adaptação dos treinadores de futebol de alta competição.
Leonardo Jardim durante as conferências da FPF 'Football Talks
Foto: FPF

Leonardo Jardim durante as conferências da FPF 'Football Talks"

Por Eduardo Santiago e Inês Antunes sapodesporto@sapo.pt

O treinador do Mónaco, Leonardo Jardim, esteve esta quarta-feira em Lisboa para participar no ciclo de conferências 'Football Talks', e partilhar algumas das suas experiências a nível da gestão de jogadores, nomeadamente as dificuldades em integrar jogadores nas equipas após os compromissos das respectivas selecções nacionais e os factores que vão determinar a confirmação de um talento no futebol de alta competição.

Com um discurso descontraído e informal, o técnico português respondeu sem hesitações às questões que lhe iam sendo colocadas perante uma plateia repleta de especialistas de futebol, e recusou desde logo a ideia de ser um treinador conservador.

"Um treinador tem de ter a capacidade de adaptação consoante os jogadores que tem. Tenho de saber que se vou treinar um Sporting que vinha de um 7º lugar tenho que jogar para ganhar jogos. Os adeptos queriam era voltar a ganhar jogos", disse o treinador do Mónaco, dando o exemplo da sua passagem pelo Sporting para justificar a necessidade de adaptação dos treinadores.

Hoje, com uma equipa consolidada no Monaco, claro que quero ganhar e dar um pouco de espectáculo pois estou no meu terceiro ano do Mónaco e sei que investimos este verão. Tenho que saber que jogadores tenho e perceber que se o posso fazer tenho de dar um bom espetáculo aos adeptos", acrescentou o técnico do AS Monaco sobre o seu trabalho no principado.

Em relação à gestão dos jogadores que vão às seleções, o técnico português admitiu que por vezes as equipas são prejudicadas, mesmo quando os jogadores não jogam os jogos internacionais.

"Tem que existir uma certa sensibilidade da parte das seleções. Por exemplo, vou jogar a final da Taça da Liga no sábado (dia 1 de abril) e tenho 14 jogadores nas seleções, que só deverão chegar na quarta-feira. Claro que não gostaria que jogassem os 90 minutos pelas suas seleções", disse Leonardo Jardim.

"Felizmente, tenho uma boa relação com o Didier Deschamps como com Fernando Santos. Existem, por isso, conversas constantes, de forma a minimizar esses efeitos da fadiga."

"Hoje em dia dou mais importância à gestão. Mas há 10 anos, quando treinava o Chaves, privilegiava o treino. São realidades diferentes e temos que nos adaptar. Por exemplo, no Sporting, vinha de um sétimo lugar e a prioridade era apenas ganhar. A grande virtude é esta capacidade de adaptação do nosso povo. Depois, todo o trabalho realizado pelas várias associações, dando o conhecimento às pessoas, tem ajudado nesse processo", frisou Leonardo Jardim sobre o seu percurso de treinador..

Conteúdo publicado por Sportinforma