Futebol internacional

30-03-2017 10:53

Maradona exige mais rendimento à seleção da Argentina

Antigo jogador defende a continuidade de Bauza à frente da seleção da Argentina, mas diz que jogadores não podem baixar tanto de rendimento.
Rui Costa e Maradona no
Foto: AFP or licensors

'El Pibe' durante um jogo particular promovido pelo Papa Francisco

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

Diego Maradona defendeu hoje a continuidade de Edgardo Bauza como selecionador argentino de futebol, ressalvando que os jogadores não podem baixar tanto de rendimento.

“O que mais me impressionou na seleção foram os jogadores novos, jogadores que nunca jogaram juntos e a quem não se ‘notou’ a camisola. Isso é o mais grave”, começou por dizer Maradona à rádio Rivadavia, citada pelo diário Olé.

Poucas horas antes da derrota na Bolívia (2-0), que a fez cair para o quinto lugar na zona de qualificação sul-americana para o Mundial2018, a Argentina ficou sem a ‘estrela’ Lionel Messi, castigado com quatro jogos pela FIFA.

A situação da seleção não é indiferente para Maradona, campeão mundial em 1986, no México, com o antigo internacional a lembrar que o país já está na zona de repescagem e que “não pode deixar de estar num Mundial”.

“A verdade é que fiquei muito triste ao ver que não tivemos reação, que jogámos mal. As linhas estavam separadas e em cada que vez tínhamos a bola o jogador mais perto estava a 30 metros”, lamentou Maradona.

Ainda assim, a antiga ‘estrela’ reiterou o apoio ao selecionador, explicando que este recebe os jogadores um dia antes, embora admita que se tenha equivocado nas opções que tomou diante da Bolívia.

“Tem um ferro quente nas mãos. Vai ter de o aguentar”, acrescentou, explicando que há que fazer entender aos jogadores o sonho de um país e a importância de defenderem “um prestígio que custou” a conquistar desde Menotti, campeão mundial em 1978.

Conteúdo publicado por Sportinforma