Futebol internacional

03-04-2017 16:53

Federação argentina 'segura' Bauza e nega Sampaoli para selecionador

No apuramento para o Mundial2018, na Rússia, a seleção ‘albi-celeste’ está num perigoso quinto lugar na qualificação sul-americana.
Edgardo Bauza e Messi
Foto: DR

Edgardo Bauza e Messi

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

O novo presidente da Federação Argentina de Futebol (AFA), Claudio Tapia, defendeu hoje o selecionador Edgardo Bauza, negando contactos com Jorge Sampaoli, treinador do Sevilha, para o substituir.

“Bauza é o treinador da seleção da Argentina. Tem um contrato assinado e os contratos são sempre para respeitar. Vamos reunir com ele. Estarei com ele esta semana, quarta ou quinta-feira, para conversar, para analisar toda a situação”, disse o dirigente, ao diário La Nación.

No apuramento para o Mundial2018, na Rússia, a seleção ‘albi-celeste’ está num perigoso quinto lugar na qualificação sul-americana, com 22 pontos, em competição liderada pelo Brasil (33), seguido da Colômbia (24), Uruguai (23) e Chile (23), e com o Equador, sexto, a apenas dois pontos (20).

“Temos a mesma necessidade que todos. Todos queremos que a seleção jogue bem e ganhe, que se apure da melhor forma e jogue bem no Mundial, mas há que ter a consciência de que os treinadores não têm tempo de trabalho suficiente”, lembrou.

Quanto ao futuro de ‘Patón’, o responsável, que assumiu o cargo quarta-feira, disse que não teve responsabilidade na sua escolha: “Não sei o seu pensamento nem as suas ideias. Quando falarmos analisaremos o que fazer”.

A possibilidade avançada pelos media de Sampaoli substituir Bauza foi desvalorizada, com o dirigente a recordar que este “está em Espanha” e que “ninguém pode chamar um treinador enquanto há outro em funções”.

“A seleção tem um treinador, Bauza, bem-sucedido. Há que defendê-lo e ouvi-lo. Não falei com ele, mas entendo que tem a força e a vontade necessárias para continuar”, vincou.

Tapia revelou ainda que a AFA está a “trabalhar” para reduzir o castigo da FIFA imposto a Lionel Messi, com quatro jogos de suspensão por ter insultado um árbitro. O dirigente vai a Espanha falar com o jogador do Barcelona.

“Quando o Messi não joga, a seleção sente muito a sua ausência. Há muitos temas para falarmos. Também quero pedir-lhe o mesmo de sempre: que continue a vir e a gostar da seleção. Não podemos deixar de o reconhecer”, concluiu.

Conteúdo publicado por Sportinforma