Futebol internacional

01-05-2017 18:35

UEFA terá em conta direitos humanos na escolha do país organizador do Euro2024

A Alemanha e a Turquia são até ao momento os únicos candidatos à organização do Euro2024.
UEFA elege seis novos membros para Comité Executivo, Fernando Gomes mantém-se
Foto: SAPO Desporto

A Alemanha e a Turquia são até ao momento os únicos candidatos à organização do Euro2024.

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

A UEFA terá em conta um critério em relação à proteção dos direitos humanos na sua escolha entre Alemanha e Turquia para a organização do Euro2024, anunciou hoje o organismo máximo do futebol europeu.

A Alemanha e a Turquia, os únicos candidatos à organização do Euro2024, já receberam por parte da UEFA a lista de critérios que serão tidos em conta na escolha do país organizador da competição.

“Pela primeira vez, estes critérios contêm uma referência específica ao respeito pelos direitos humanos”, sublinhou a UEFA em comunicado.

Estes critérios assentam nos princípios estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) e abarcam, também, exigências em matéria de luta contra a corrupção.

“A proteção dos direitos do homem e do direito ao trabalho é muito importante para a UEFA. Todos os países candidatos devem aderir estritamente a estes critérios na preparação e organização de todos os torneios e finais”, comentou Aleksander Ceferin, presidente do organismo.

Após o Euro2016, organizado pela França e conquistado por Portugal, seguir-se-á o Euro2020 que se disputará em 13 cidades europeias, com as meias-finais e a final marcadas para o Estádio de Wembley, em Londres.

Se a Turquia fosse escolhida pela UEFA para sede do Euro2024, seria o maior evento desportivo alguma vez organizado pelo país, que já concorreu por três vezes para acolher a prova.

O Governo do presidente islâmico-conservador Recep Tayyip Erdogan, respaldado por um recente referendo para reforço dos seus poderes que lhe foi favorável, procedeu nos últimos meses à detenção de centenas de opositores ao regime e ao despedimento de milhares de funcionários públicos.

Conteúdo publicado por Sportinforma