Futebol internacional

06-05-2017 20:34

Paulo Fonseca feliz pela "conquista única e saborosa" do título ucraniano

Shakhtar Donetsk conquistou o título de campeão na Ucrânia com Paulo Fonseca no comando técnico.
Jogadores do Shakhtar Donetsk festejam um golo
Foto: Miguel Riopa

Jogadores do Shakhtar Donetsk festejam um golo.

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

O treinador do Shakhtar Donetsk, Paulo Fonseca, mostrou-se hoje feliz pela conquista “única e saborosa” do título ucraniano de futebol, ao vencer o Zorya em casa por 3-2 a quatro jornadas do fim.

“Esta conquista não é normal, é realmente única e muito saborosa”, atirou o técnico português, de 44 anos, na conferência de imprensa que se seguiu ao jogo que carimbou o 10.º título ucraniano do Shakhtar, que liderou o campeonato desde a segunda jornada.

A formação de Paulo Fonseca, que está a cumprir a primeira temporada da Ucrânia, esteve a vencer por 3-0, com golos do argentino Ferreyra, aos 38 minutos, do brasileiro Ismaily (ex-Sporting de Braga), aos 52, e de Ordets, aos 55.

Já perto do final da partida, o Zorya, terceiro classificado, reduziu por Kharatin, aos 80 minutos, e Sukhotsky, aos 88.

Com este triunfo, o 24.º em 28 jogos no campeonato (somou ainda três empates e uma derrota), o Shakthar passou a ter 17 pontos de vantagem sobre o Dinamo Kiev, segundo classificado, e já não pode ser apanhado pelo emblema da capital, que conquistou os últimos dois campeonatos.

Fonseca fez questão de “homenagear” os jogadores e a equipa técnica depois de “uma época difícil”, agradecendo ainda aos adeptos, a quem dedicou o título, bem como “ao presidente e ao diretor-geral”, por terem “acreditado” em si para substituir Mircea Lucescu, que orientou o clube durante 12 temporadas.

Questionado por um jornalista sobre a atenção portuguesa sobre o feito, destacou as “notícias que têm saído constantemente” sobre os resultados do clube, que demonstra que “em Portugal, estão muito atentos ao Shakhtar”.

O técnico disse ainda sentir-se “muito bem” na Ucrânia, um país de que “se ouve falar muitas vezes de um cenário de guerra e de dificuldade, mas a realidade é bem diferente”.

“Para um estrangeiro que vem para a Ucrânia, posso dizer que tenho sido um felizardo. A forma como fui sempre recebido aqui e sou respeitado, só tenho de agradecer a todos os ucranianos que me acolheram porque me tenho sentido quase em casa”, atirou.

O antigo treinador de Paços de Ferreira, FC Porto e Sporting de Braga, entre outros, destacou ainda o desejo de conquistar a Taça da Ucrânia, cuja final disputa a 17 de maio com o segundo classificado Dínamo Kiev.

“Ainda temos a final da Taça, e vamos preparar-nos o melhor possível. Quem joga no Shakhtar tem de jogar sempre para vencer”, afirmou o técnico.

Em caso de vitória, os ‘mineiros’ podem igualar a equipa da capital como recordista de títulos da taça, com 11 troféus.

Conteúdo publicado por Sportinforma