Futebol / Internacional

14-05-2017 12:10

André Villas-Boas e Jaime Pacheco defrontam-se em Tianjin

Os dois únicos treinadores portugueses na Superliga chinesa de futebol, André Villas-Boas e Jaime Pacheco, ambos portuenses e sócios do FC Porto, defrontam-se hoje em Tianjin.
André Villas Boas
Foto: SAPO Desporto

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

Os dois únicos treinadores portugueses na Superliga chinesa de futebol, André Villas-Boas e Jaime Pacheco, ambos portuenses e sócios do FC Porto, defrontam-se hoje em Tianjin, cidade do litoral norte da China.

“É um encontro de amigos”, disse à agência Lusa Villas-Boas, que orienta desde novembro passado os chineses do Shanghai SIPG, recordando o último encontro com Jaime Pacheco: “A última vez que nos tínhamos cruzado foi na [confeitaria] Paparoca da Foz. Ambos nessa altura ainda sem clube e é curioso que nos encontramos aqui, no país mais populoso do mundo”.

Jaime Pacheco e André Villas-Boas, hoje ‘rivais’ no campeonato chinês, têm em comum um passado ligado ao FC Porto, estando associados a duas das épocas mais marcantes para o emblema ‘azul e branco’.

Na época 2010/11, Villas-Boas foi treinador do FC Porto, tendo conquistado a Liga Europa, a I Liga e a Taça de Portugal, numa temporada em que os portistas somaram 49 vitórias, cinco empates e quatro derrotas.

Jaime Pacheco, que treina atualmente o Tianjin Teda, jogou durante oito anos no FC Porto, tendo como principal conquista a Taça dos Clubes Campeões Europeus, em 1987.

“Eu costumo ser pelo clube que represento, mas tenho muitas raízes no FC Porto. Como futebolista foi onde joguei mais anos e onde me consagrei”, diz à agência Lusa Jaime Pacheco, confidenciando: “Quase ninguém sabe, mas sou sócio [do FC Porto]. Recebi há pouco tempo a medalha de prata”.

Jaime Pacheco, que se sagrou campeão nacional como treinador pelo Boavista, em 2000/01, considerou, por isso, que o jogo de hoje é “muito especial”.

“Era digno de os portugueses assistirem”, diz. “Eu e o André somos da mesma cidade, trabalhamos no mesmo clube e somos amigos”, frisou.

Durante o treino de adaptação ao estádio do Tianjin Teda, ficou clara a boa relação entre os treinadores, que se cumprimentaram calorosamente e conversaram durante dez minutos.

A certa altura, também o brasileiro Hulk, antigo avançado do FC Porto, que alinha agora no Shanghai SIPG, se juntou à conversa.

‘Pa Qie Ke’ (Pacheco, em chinês) chegou a Tianjin, cidade portuária a 120 quilómetros de Pequim, no ano passado, num regresso à China, onde orientou, entre 2011 e 2012, o Beijing Guoan.

Entretanto, os clubes chineses bateram sucessivos recordes de transferências.

Só esta época, as 16 equipas que disputam a Superliga chinesa investiram cerca de 460 milhões de euros na contratação de jogadores estrangeiros.

Os brasileiros Óscar e Hulk, ambos ao serviço do Shanghai SIPG, foram das contratações mais sonantes, realçando a aposta do clube orientado por Villas-Boas em se sagrar campeão nacional e acabar com o domínio do Guangzhou Evergrande, hexacampeão chinês, comandado por Luiz Felipe Scolari.

“Nós queremos muito continuar o nosso caminho para o título: é a ambição máxima do clube”, realçou Villas-Boas.

Instado a avaliar a experiência na China, o técnico diz que “tem sido boa”, com o clube a proporcionar “todas as condições possíveis”.

“A família está bem em Xangai e isso ajuda sempre à estabilidade emocional”, disse.

No entanto, o técnico lamentou a decisão de a liga chinesa reduzir de quatro para três o número de jogadores estrangeiros permitidos em campo por clube.

“Foi desagradável, porque nós tínhamos a equipa montada desde novembro e fomos apanhados de surpresa”, afirmou.

Uma das ‘vítimas’ da alteração aos regulamentos é o internacional português Ricardo Carvalho, que rumou ao SIPG em janeiro passado, mas que “não pode jogar tantas vezes como desejava”, admitiu Villas-Boas.

“Acho que o futebol chinês não sabe o que está a perder. Pessoas que têm a experiência que o Ricardo teve e que são lideres e que sabem ensinar. É uma perda realmente”, rematou Villas-Boas.

Conteúdo publicado por Sportinforma