Futebol

01-06-2017 17:33

PJ apreende documentos na federação da Guiné-Bissau

Buscas surgem no âmbito de uma investigação do Ministério Público aos dirigentes daquele órgão por alegada corrupção.
Autoridades querem evitar fuga do alegado homicida de seguran
Foto: Agencia Lusa

PJ apreende documentos na federação da Guiné-Bissau

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

A Policia Judiciária (PJ) da Guiné-Bissau efetuou buscas e apreensões de documentos na sede da federação de futebol guineense no âmbito de uma investigação do Ministério Público aos dirigentes daquele órgão por alegada corrupção.

Fontes judiciais ligadas ao processo indicaram à Lusa que as buscas e apreensões ocorreram na quarta-feira e antecederam a audição do presidente da federação guineense de futebol, Manuel Lopes, hoje no Ministério Público.

A agência Lusa constatou que as portas da federação estão encerradas à corrente e cadeado desde as primeiras horas desta quinta-feira.

As fontes judiciais indicaram que nem a PJ, nem os magistrados, que seguem as investigações na federação, deram ordens nesse sentido.

Manuel Lopes foi ouvido cerca de duas horas, sem que se fizesse acompanhar por um advogado, e à saída não quis prestar declarações aos jornalistas. Ainda hoje poderão ser conhecidas quais as medidas tomadas pelos magistrados que o ouviram nos autos.

Na semana passada, a secretária-geral da federação guineense de futebol, Virgínia da Cruz, foi ouvida no âmbito do mesmo processo e no final foi aplicada medida de permanência obrigatória no país, tendo-lhe sido retirado o passaporte.

Por ordens da justiça, a responsável ficou suspensa das suas funções na federação.

Uma outra funcionária da mesma instituição também ficou suspensa de funções por ordem do Ministério Público.

O presidente e a secretária da federação estão a ser investigados por suspeitas de crimes de corrupção, peculato e falsificação de documentos, na sequência de uma denúncia pública feita por Inum Embaló, um antigo vice-presidente da instituição.

Embaló disse que os dois dirigentes teriam, alegadamente, desviado em proveito próprio de mais de milhares de euros, verbas doadas ao país pela FIFA e Confederação Africana de Futebol (CAF).

Conteúdo publicado por Sportinforma