Futebol

21-06-2017 08:42

Revolução no futebol: International Board quer jogos de 60 minutos cronometrados

International Football Association Board (IFAB) propôs uma verdadeira revolução nas leis do futebol.
Nani em ação no jogo de Portugal frente ao México na Taça das Confederações
Foto: EPA/Mário Cruz

International Board quer uma revolução no futebol: jogos com 60 minutos

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

O International Football Association Board (IFAB), após décadas de inatividade, propôs uma verdadeira revolução nas leis do futebol, no sentido de tornar o jogo mais justo e atrativo para os adeptos.

A alteração mais radical passa pela possibilidade de reduzir o tempo de jogo de 90 minutos para 60 úteis, com paragens do cronómetro sempre que existirem interrupções ou, em alternativa, manter o atual figurino, mas adotar aquele método nos últimos cinco minutos da primeira parte e 10 da segunda.

“Estas propostas têm como objetivo provocar o debate e lançar um novo olhar sobre a forma como as leias podem melhorar o jogo”, indicou o organismo regulador das leis do futebol, que, desta forma, pode enveredar pelo mesmo caminho de outras modalidades, como o basquetebol, andebol ou futsal.

O IFAB reconheceu que a redução do tempo de jogo para 60 minutos, com duas partes de 30, representa uma “mudança radical”, mas observou que a proposta pressupõe uma estratégia de longo prazo de alteração das leias do futebol e que a sua introdução plena demorará vários anos.

O International Board pretende dar resposta à insatisfação dos adeptos, que contestam o facto de a maioria das partidas “terminem com menos de 60 minutos de tempo útil de jogo”, mesmo com os períodos de compensação atribuídos pelos árbitros.

De acordo com a FIFA, o jogo entre a Rússia e a Nova Zelândia (2-0), de abertura da Taça das Confederações, teve apenas 47 minutos de tempo útil de jogo, o que pressupõe que uma partida com 60 minutos de tempo útil poderá prolongar-se por mais de duas horas.

O IFAB, órgão composto por representantes da FIFA e das quatros federações britânicas, considera que a obrigatoriedade de os jogos de futebol terem 60 minutos de tempo útil desencorajará jogadores e treinadores a adotarem estratégias para perder tempo.

Outra alteração marcante proposta pelo International Board passa pela atribuição de golo sempre que a bola for desviada indevidamente com a mão sobre a linha de baliza, em vez de grande penalidade, como acontece atualmente.

O organismo coloca ainda a hipótese de deixarem de ser permitidas recargas após a marcação de grandes penalidades, ordenando a paragem imediata do jogo, e de autorizar que os jogadores possam passar a bola a si próprios na marcação de pontapés de canto ou de livre.

Penalizar com a marcação de grande penalidade o guarda-redes que toque com a mão uma bola após um passe deliberado de um colega de equipa ou um lançamento lateral e expulsar diretamente um jogador que marque um golo com a mão de forma deliberada também estão entre as propostas do IFAB.

Conteúdo publicado por Sportinforma