Futebol

08-01-2014 12:25

Alemão Thomas Hitzlsperger assume homossexualidade

Hitzlsperger anunciou o abandono dos relvados em setembro de 2013, aos 31 anos, depois de ter vestido a camisola da seleção alemã em 52 ocasiões
Alemão Thomas Hitzlsperger assume homossexualidade
Foto: AFP

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

O antigo internacional alemão Thomas Hitzlsperger assumiu a sua homossexualidade, em entrevista publicada hoje no jornal Die Zeit, tornando-se no mais conhecido futebolista a fazê-lo.

Hitzlsperger anunciou o abandono dos relvados em setembro de 2013, aos 31 anos, depois de ter vestido a camisola da seleção alemã em 52 ocasiões, tendo integrado a “Mannschaft” que terminou sem segundo lugar no Euro2008 e em terceiro no Mundial2006.

Após colocar termo à sua carreira, com passagens por Aston Villa, Estugarda [que capitaneou], Lazio, West Ham, Wolfsburgo e Everton, o alemão revelou a sua vontade de «promover o debate sobre a homossexualidade entre os desportistas profissionais».

«Tem sido um longo e difícil processo [até tomar consciência de que era gay]. Só nos últimos anos percebi que preferia viver junto com um homem», afirmou Hitzlsperger, que se tornou no primeiro futebolista alemão a assumir a homossexualidade.

Em 2013, o antigo futebolista do Leeds United Robbie Rogers também assumiu a sua preferência sexual, através de um comunicado publicado no seu sítio oficial na Internet, antes de o nadador britânico Tom Daley também o fazer.

«Ser homossexual em Inglaterra, na Itália e na Alemanha não é muito importante, pelo menos nos balneários. Eu nunca me senti envergonhado pelo que eu sou, mas nem sempre foi fácil sentar-me à mesa com 20 homens jovens e ouvir piadas sobre gays. Só tens de os deixar fazer isso, enquanto as anedotas têm alguma piada e não são insultuosas», explicou.

Hitzlsperger assegura que «ser gay é um assunto ignorado no futebol» e que «não é levado a sério nos balneários», contrariando eventuais ideias pré-concebidas: «O espírito de lutador, a paixão e a mentalidade vencedora estão ligadas intrinsecamente e isso não confirma o cliché de que ‘os gays são sensíveis».

Em julho de 2013, a federação alemã de futebol (DFB) desafiou os futebolistas homossexuais a assumirem a sua condição e romperem este tabu no desporto, enquanto a ministra da Justiça, Sabine Leutheusser-Schnarrenberger, convidou a seleção para desfilar no Dia do Orgulho Gay.

Conteúdo publicado por Sportinforma com Lusa