AS Roma - FC Porto

22-08-2016 17:40

Nuno quer um FC Porto "eficaz" contra um "ambiente adverso"

O FC Porto vai disputar em Roma o apuramento para a fase de grupos da Liga dos Campeões.
Nuno Espírito Santo
Foto: ESTELA SILVA / LUSA

Nuno Espírito Santo, treinador do FC Porto.

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

Nuno Espírito Santo admite que o nível de eficácia do ataque do FC Porto ainda está longe do ideal, mas acredita que os 'dragões' estarão melhor neste capítulo em Roma, onde irão disputar o acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões.

Em conferência de imprensa já no Olímpico de Roma, o técnico portista começou por explicar que FC Porto espera ver na terça-feira.

"Um FC Porto que não se rende. Um FC Porto cooperativo. Uma equipa. Só sendo uma equipa conseguirá o seu objetivo, que é estar na fase de grupos da Liga dos Campeões. Um FC Porto determinado, a competir", começou por dizer o técnico.

No que toca à eficácia ofensiva, ou falta dela, Nuno admite que este defeito foi particularmente visível no duelo da primeira mão.

"[Espero mais eficácia] não só amanhã, mas em todos os jogos. Um dos parâmetros fundamentais do êxito de uma equipa é a sua eficácia. Foram 31 [remates] no jogo da primeira mão e só conseguimos um golo. Fizemos muito e merecíamos outro resultado. [Temos de ser] eficazes, mas acima de tudo equilibrados, conscientes do jogo, focados única e exclusivamente no jogo. Estaremos conscientes de que haverá um ambiente adverso vindo do exterior, mas temos de buscar a eficácia", referiu Nuno.

Questionado sobre o facto de ter poucas opções para o ataque - Depoitre não pôde ser inscrito - Nuno salientou o "orgulho" de escolher as melhores opções para a equipa.

"Neste momento fazer o onze do FC Porto é motivo de orgulho. É garantia de compromisso e cooperação. Não estou preocupado, estou seguro de que os onze que vão entrar estarão perfeitamente comprometidos, identificados com a ideia e cooperativos", garantiu.

No que toca ao sistema de jogo a apresentar em Roma, Nuno desvalorizou a questão e recordou que o futebol é um desporto de dinamismos.

"Nós temos um plano para o jogo. Tudo é dinâmico no futebol. A forma inicial não representa o que pode acontecer depois. O plano é disputar cada bola como se fosse a última. Não nos rendemos. A questão dos sistemas não é tão importante como isso", defendeu o técnico.

Roma e FC Porto defrontam-se na terça-feira, a partir das 19h45, em partida da segunda mão do 'play-off' de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões. Na primeira mão, em solo português, as duas equipas empataram a uma bola.

Conteúdo publicado por Sportinforma