Benfica 1-1 Besiktas

14-09-2016 08:00

Análise: Último suspiro de Talisca 'rouba' dois pontos ao Benfica

Equipa portuguesa esteve sempre na frente, mas acabou por ceder o empate no fim. Talisca em bom plano no regresso à Luz.
Quaresma e Talisca festejaram juntos pela primeira vez no relvado da Luz
Foto: Mário Cruz

Quaresma e Talisca festejaram juntos pela primeira vez no relvado da Luz.

Por José Rafael Lopes sapodesporto@sapo.pt

No regresso da Luz à Liga dos Campeões Rui Vitória tinha a vida dificultada pelas ausências na frente de ataque. Sem Jonas, Mitroglou, Giménez e o reforço Rafa, o treinador dos encarnados teve de ser criativo na hora colocar onze jogador no relvado. A única certeza era a de que Gonçalo Guedes ia ser aposta enquanto que o segundo nome era uma incógnita. A ficha de jogo ditou que seria Pizzi a acompanhar o ponta de lança na frente do ataque. A aposta no médio enquanto homem de apoio ao avançado não era novidade, mas contra o Vitória de Setúbal não tinha corrido bem.

O resto da equipa apresentou-se dentro do habitual esquema utilizado pelo técnico português. Fejsa surgiu enquanto médio de contenção com André Horta a surgir mais à frente com a batuta de controlador de jogo. No sector mais defensivo Lindelof regressou à titularidade e fez dupla com Lisandro no centro da defesa. Na baliza, Ederson tomou o lugar de Júlio César. Destaque ainda para o banco de suplentes. Rui Vitória ficou de fora por castigo e foi substituido pelo seu adjunto.

Perante um Estádio da Luz quase cheio para ver o regresso dos tricampeões nacionais à liga milionária,o Benfica entrou bem e mostrou que queria assumir o controlo de jogo. Apesar de jogar com linhas mais baixas do que é habitual no campeonato, o meio-campo das 'águias' com uma ajuda preciosa de Cervi e Salvio conseguiu tomar conta do sector intermédio. A descida dos extremos, com foco especial no lado de Ricardo Quaresma mostrou algum respeito tanto pelo português como pelos jogadores turcos. No entanto, perante o 'abafo' dos encarnados do meio-campo, os jogadores começaram a subir mais e a atacar bem pelas alas com jogo apoiado sob a batuta de André Horta. O golo encarnado demostra bem o estilo de jogo utilizado pela equipa de Rui Vitória. André Horta no miolo abriu com uma passe a rasgar para Salvio que se aproximou da baliza. Perante a defesa do guardião do Besiktas, Cervi estava no sitio certo para emendar e fazer o golo do Benfica.

A vencer a equipa da casa tranquilizou e diminuiu ligeiramente o ritmo de jogo. Fejsa mostrou o porque de ter 'atirado' Samaris para o banco e foi um dos mais esclarecidos no rectângulo de jogo. A perder, o Besiktas foi atrás do resultado, mas sem mostrar grandes argumentos face à organização dos encarnados. Tosic e Quaresma não conseguiam ter espaço e foram muito condicionados pela acção dos jogadores da equipa da casa. Num jogo semi-partido, o Besiktas tentou com mais afinco chegar à frente na tentativa de igualar o jogo. Sem Talisca, que começou o jogo no banco, o meio-campo turco não conseguiu fazer um jogo apoiado e acabou engolido pelo Benfica. Aboubakar ficou completamente fora de jogo. Neste estilo de jogo as melhores oportunidades acabaram por ser da equipa portuguesa. Através do contra-ataque, o Benfica conseguiu explorar as lacunas que surgiam na organização turca. André Horta teve inclusive uma das melhores hipóteses da primeira parte. Jogada de três para um com o médio a conduzir jogo. Gonçalo Guedes e Cervi surgiam como opções, mas o antigo jogador do Vitória de Setúbal não decidiu bem e a oportunidade acabou por se perder. Contudo, o Benfica partia para a segunda parte por cima do jogo e com a sensação de estar no controlo.

A segunda parte trouxe Talisca no lado do Besiktas e uma reviravolta no jogo. No dia de regresso ao Estádio da Luz, o antigo jogador dos encarnados que está no futebol turco por empréstimo do Benfica, mexeu na forma de jogar do Besiktas e trouxe novos argumentos que faltaram na primeira parte aos turcos. O 'miolo' do Benfica sentiu a entrada do brasileiro que alterou as dinâmicas do lado visitante. Quaresma e Tosic recuaram um pouco para vir buscar bola para o espaço entre-linhas. A descida dos extremos com a subida de rendimento de Inler deram o controlo do jogo aos turcos que procuravam a igualdade. O melhor período do meio-campo do Besiktas coincidiu com o 'desaparecimento' de André Horta. O médio que esteve em bom plano na primeira parte perdeu a noção do que fazer face aos jogadores adversários. Apesar da mudança de paradigma o Benfica ainda assustou a defesa turca. Com Gonçalo Guedes a 'puxar' pelos colegas, os encarnados ainda tentaram dobrar a vantagem, mas foram os visitantes a estar mais perto do golo na Luz. Quaresma conseguiu por mais do que uma vez romper pela direita, mas sem grandes proveitos. Na esquerda, o contributo do internacional português diminui e rapidamente voltou para o lado oposto. O 'retornado' Talisca tentou o golo de longe, mas Ederson esteve à altura do remate. Na primeira aparição da temporada, o guarda-redes brasileiro mostrou-se sereno e sem erros quando foi chamado a intervir.

O Benfica mexeu para tentar fechar o meio-campo. Cervi deu o lugar a Samaris e o internacional grego juntou-se ao meio-campo para tentar colocar um 'tampão' na crescente ofensiva turca. O camisola 7 encarnado juntou-se a Fejsa e conseguiu, de facto, fazer recuar a construção de jogo do Besiktas. O treinador turco apercebeu-se da alteração nos encarnados e deu ordem aos extremos para abrirem mais nas alas. Com mais largura, o visitantes voltaram a crescer e ficaram por cima do jogo. No entanto, a resposta do Benfica vestiu-se de contra-ataque e Gonçalo Guedes voltou a ter o golo nos pés depois de um erro crasso de Ricardo Quaresma. Perda de bola imperdoável do internacional português e, no um para um, Gonçalo Guedes não conseguiu dobrar a vantagem.

Celis entrou perto do fim e fica para a história do jogo pelos piores motivos. O reforço colombiano fez falta fora da grande área numa altura em que o Besiktas lançava desesperadamente bolas para a área na procura do empate. Chamado a converter, Talisca bateu o livre de forma exemplar e bateu Ederson a um minuto do fim. O golo, que fez lembrar o livre que marcou ao Bayern de Munique na época passada, roubou dois pontos aos encarnados que podiam ter decidido o jogo ainda na primeira parte.

O empate na Luz não satisfaz as 'águias' que estiveram quase toda a partida na frente do marcador. Na outra partida, o Nápoles venceu o Dínamo de Kiev e assumiu a liderança do grupo B com três pontos.

Positivo:
- Boa entrada ofensiva face à falta de opções ofensivas.
- Bom entendimento de Fejsa e André Horta durante os primeiros 45 minutos.
- Regresso de Ederson que esteve imbatível até ao último remate de Talisca.
- Franco Cervi marca na estreia na Liga dos Campeões.
Negativo:
- Falta de compostura dos jogadores encarnados que podiam ter fechado o jogo na primeira parte.
- Benfica sem Mitroglou e Jonas muito perdulário na hora de faturar.
- Perda do meio-campo após a entrada de Talisca ao intervalo.
- Entrada infeliz de Celis que fica ligado ao golo dramático de Talisca.

Curiosidade

Na primeira visita ao Estádio da Luz depois de ter sido campeão da Europa, Ricardo Quaresma foi aplaudido pelos adeptos do Benfica. O contributo do jogador do Besiktas na conquista do Euro 2016 não foi esquecida, mas só nos primeiros minutos. Num ápice, o internacional português passou de amado a indesejado, tendo sido 'brindado' com assobios provenientes das bancadas da Luz.

Conteúdo publicado por Sportinforma