Liga dos Campeões

13-03-2017 12:22

Presidente do PSG acredita que a sua equipa foi prejudicada contra o Barcelona.

Nasser Al-Khelaifi quebrou o silêncio e deu a sua opinião sobre a 'remontada' do Barcelona, que provocou a eliminação da equipa francesa da Liga dos Campeões.
Nasser Al-Khelaifi
Foto: Lusa

Nasser Al-Khelaifi, presidente do PSG

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

O árbitro foi essencial para a 'remontada'. Quem o diz foi o presidente do Paris Saint-Germain, acreditando que a arbitragem de Deniz Aytekin condicionou claramente o jogo da equipa francesa.

Em entrevista ao jornal francês 'Le Parisien', o líder do PSG confirmou que o resultado podia mesmo ser outro, caso existisse um maior rigor do árbitro alemão.

"Uma pessoa não pode deixar de pensar que o resultado da partida poderia ter sido diferente com uma arbitragem mais clarividente", referiu Nasser Al-Khelaifi, considerando que deve existir mais concentração em fases mais avançadas da Liga dos Campeões.

"Conforme avança a competição, há muito em jogo e os árbitros têm que estar preparados", afirmou. "Não pode haver lugar para nervosismo ou para uma evidente falta de lucidez", explicou o presidente do PSG.

O líder do campeão francês recordou também o penálti não assinalado sobre Ángel Di María, que poderia ter dado o 3-2 ao conjunto gaulês.

"Todo o mundo viu o penálti sobre Di Maria que nos permitira fazer o 3-2 e acabar provavelmente com a partida. Para não falar no penálti de Suárez, no final do jogo...", reiterou Al-Khelaifi

O Barcelona derrotou o Paris Saint-Germain por 6-1 na segunda-mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões, depois de ter vencido por 4-0 a equipa catalã no primeiro jogo.

Conteúdo publicado por Sportinforma