Liga dos Campeões

11-04-2017 21:39

Polícia alemã não tem indícios de terrorismo no ataque ao autocarro do Dortmund

O autocarro do Borussia Dortmund foi hoje atingido por três explosões quando se dirigia para o estádio.
Polícia alemã não tem indícios de terrorismo no ataque ao autocarro do Dortmund
Foto: Patrik STOLLARZ

Polícia alemã não tem indícios de terrorismo no ataque ao autocarro do Dortmund

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

As autoridades alemãs não dispõem, neste momento, de qualquer indício que aponte para que o ataque de hoje ao autocarro do Borussia Dortmund tenha origem terrorista, indicaram fontes próximas da investigação à agência DPA.

Citando fontes policiais, a agência noticiosa alemã revela que, neste ponto da investigação, não existe “qualquer elemento” que sugira que o ataque ao autocarro em que seguia a equipa alemã teve origem terrorista.

De acordo com a AFP, que recolhe as informações da DPA, a polícia não usa a palavra atentado para descrever o incidente, mas sim “ataque grave com explosivos”.

“Os explosivos podiam estar dissimulados num arbusto próximo de um parque de estacionamento”, acrescentou a polícia de Dortmund, em comunicado.

O diretor executivo do Borussia Dortmund detalhou, em declarações aos meios de comunicação locais, que as três explosões aconteceram quando o autocarro saía da unidade hoteleira onde a equipa esteve concentrada, na antessala do jogo da primeira mão dos quartos de final da Liga dos Campeões, com o Mónaco.

Hans-Joachim Watzke revelou que, segundo a polícia, os três artefactos “escondidos numa esquina” foram detonados, “de alguma forma”, quando o autocarro abandonou o hotel.

O ataque foi relatado também pelo guarda-redes do Dortmund, Roman Bürki, que revelou que, depois das explosões, todos se baixaram dentro do autocarro, com aqueles que conseguiram a deitarem-se no chão do mesmo.

“O autocarro estava a entrar na via principal quando aconteceu uma enorme detonação, uma verdadeira explosão. Nós não sabíamos o que iria acontecer a seguir”, contou o guardião suíço ao portal helvético Blick.ch.

Bürki explicou que estava sentado no fundo do autocarro, ao lado de Marc Bartra, “que foi atingido por estilhaços do vidro traseiro” na mão e no braço.

O guarda-redes assumiu ainda que a opção de adiar o encontro com o Mónaco para as 17:45 (horas de Lisboa) de quarta-feira foi a melhor escolha.

“Depois de um choque destes, ninguém consegue pensar em jogar futebol”, concluiu.

Três explosões atingiram hoje o autocarro do Borussia Dortmund, quando a equipa se dirigia para o seu estádio para defrontar os franceses do Mónaco na primeira mão dos quartos de final da ‘Champions’, com o defesa espanhol Marc Bartra a ficar levemente ferido num braço.

Conteúdo publicado por Sportinforma