Mónaco

13-04-2017 22:47

Leonardo Jardim: "Somos mais fortes que o terrorismo"

Técnico português diz que não adiar mais o Dortmund-Mónaco foi uma mostra de força contra o terrorismo.
Leonardo Jardim dá indicações durante o jogo entre Monaco e Borussia Dortmund.
Foto: Sascha Schuermann

Leonardo Jardim dá indicações durante o jogo entre Monaco e Borussia Dortmund.

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

O treinador do Mónaco, Leonardo Jardim, disse hoje que a decisão de não adiar mais o jogo entre a sua equipa e o Borussia Dortmund, para a Liga dos Campeões de futebol, foi uma demonstração de força.

“Mostrámos que somos mais fortes” que o terrorismo, atirou o técnico, em conferência de imprensa, na qual abordou o jogo de quarta-feira no terreno dos alemães, onde venceu por 3-2 depois de um ataque com engenhos explosivos junto do autocarro do Dortmund, na terça-feira, ter levado ao adiamento do jogo para o dia seguinte.

Três cargas explosivas foram detonadas junto do autocarro do Dortmund quando a equipa se deslocava para o estádio Signal Iduna Park, deixando o defesa espanhol Marc Bartra ferido num braço devido aos estilhaços.

Depois da derrota, o técnico dos alemães, Thomas Tuchel, criticou a UEFA por ter decidido jogar o jogo no dia seguinte, mas Leonardo Jardim explicou hoje que a decisão se prendeu com uma demonstração de força face ao terrorismo e com questões de calendário.

“Disseram-nos que o jogo tinha sido cancelado por causa do problema, e houve uma reunião em que toda a gente olhou para o calendário e não havia outras possibilidades”, revelou o técnico, de 42 anos.

O português disse ainda que o futebol “não podia ser parado” e elogiou a atitude “muito profissional” das duas equipas, dos árbitros “e dos adeptos, cuja atitude foi ótima”.

Com Bernardo Silva e João Moutinho no ‘onze’ de Jardim e Raphael Guerreiro titular na equipa da casa, os monegascos viram Mbappé fazer uma grande exibição, com golos aos 19 e 79 minutos, e beneficiaram de um autogolo de Bender aos 35.

Os alemães marcaram por Dembelé, aos 57, e Kagawa, aos 84, e tentarão reverter fora de portas a desvantagem, na segunda mão marcada para 19 de abril, no Mónaco.

Conteúdo publicado por Sportinforma