0-1 na Bulgária

30-09-2010 19:51

E vão 11 vitórias para o Dragão insaciável

O FC Porto soma e segue e esta tarde venceu o CSKA Sófia, por 1-0, em jogo relativo à segunda jornada da Liga Europa. O golo solitário foi apontado por Falcao, aos 16’, premiando uma exibição sólida dos dragões.
E vão 11 vitórias para o Dragão insaciável

Por João Paulo Godinho sapodesporto@sapo.pt

Vencer é só o que este FC Porto de André Villas-Boas parece saber fazer. Na Bulgária, os dragões deram continuidade à dezena de triunfos já alcançados e foram sempre superiores a um CSKA Sófia esforçado mas pouco ameaçador.

Com quatro novidades no onze – Sapunaru, Maicon, Souza e Rodriguez -, o FC Porto começou a vincar desde cedo a sua qualidade e podia ter marcado logo aos 5’, por Hulk, mas o guardião M’Bolhi fez a primeira de várias defesas providenciais.

Autoritário e sólido, o FC Porto controlou toda a primeira parte, sem precisar de criar muitas ocasiões de golo. Aliás, o tento surgiu na primeira oportunidade flagrande, com Falcao a não desperdiçar uma assistência sublime de Hulk. O colombiano arranca no limite do fora-de-jogo e desvia de forma certeira e subtil. Estavam decorridos 16’ e o jogo parecia querer dizer que o vencedor já estava encontrado.

O CSKA Sófia tentou esboçar uma reacção, mas foi sempre incipiente nos primeiros 45 minutos, não conseguindo desarmar a máquina bem oleada de Villas-Boas, que mostrou sempre estar muito segura de si, independentemente das várias mudanças no onze.

Ao cair do pano sobre a primeira parte, os dragões estiveram perto do golo por três vezes (Hulk, Falcao e Rodriguez), mas tanto desperdício veio a causar alguns calafrios no segundo tempo.

Depois de um bom ensaio em jeito de Falcao (48’), com a bola a rasar o poste, o FC Porto tirou o pé do acelerador e somou algumas desconcentrações que podiam ter deitado tudo a perder num jogo que estava totalmente sob o seu controlo. 

O CSKA quase marcou aos 51’, 70’ e 73’, sempre através de cabeceamentos de Platini, Trecharichi e Sheridan, que eram sinónimo da maior propensão ofensiva dos búlgaros, aproveitando o menor fulgor neste período. Curiosamente, isso coincidiu com as saídas de Hulk e Falcao, com o ritmo portista a baixar um pouco.

Todavia, o FC Porto acordou a tempo de não se deixar surpreender e ‘abafou’ a reacção do CSKA com nova atitude pressionante, onde se destacaram as actuações de João Moutinho, Souza e Rodriguez.


O segundo golo acabou por não chegar, mas o FC Porto segurou a vantagem até ao apito final, dando mais um passo rumo à fase seguinte da Liga Europa. E vão 11 triunfos para este Dragão com fome de vitórias…