Mónaco

17-05-2017 22:07

Jardim a dar frutos. Título de campeão cala os críticos e coroa época fantástica

O Mónaco venceu o Saint-Étienne por 2-0 e sagrou-se campeão francês, pondo fim ao um jejum de 17 anos.
Leonardo Jardim

Leonardo Jardim

Por Evandro Delgado sapodesporto@sapo.pt

O Mónaco venceu o Saint-Étienne por 2-0 e sagrou-se campeão francês, pondo fim ao um jejum de 17 anos. Quando ainda falta uma jornada, os monegascos chegaram aos 104 golos em 37 partidas, o que demonstra uma veia goleadora fora do comum, para um treinador que era apelidado de ser defensivo.

Este é um título ´Made in Portugal` e que tem a chancela do ´mestre` Jardim, um técnico que teve a capacidade de reinventar a equipa, depois de perder muitas das estrelas da equipa no seu segundo ano no clube. Saíram Falcao (regressou este ano para o título), James Rodriguez, no final do primeiro ano, e depois Martial, Kurzawa, Geoffrey Kondogbia, Ferreira-Carrasco, e Lucas Ocampos. O técnico que deu nas vistas no Camacha, na Madeira, soube fazer crescer os mais jovens e mesmo assim lutar por títulos, neste seu terceiro ano ao comando dos monegascos.

Mas é também uma ´chapada` de ´luva branca` a todos os comentadores que muito criticaram o futebol da equipa, principalmente na última época onde o técnico foi descrito como sendo demasiado defensivo.

Primeiro título…depois de outro português levantar o troféu

Este é o oitavo título de campeão do Mónaco, que não vencia a prova desde 1999/2000, quando também ficou à frente do PSG. A equipa era orientada por Claude Puel e tinha jogadores como Costinha, Barthez, Sagnol, Lamouchi, Trezeguet e Giuly.

Um título com selo de garantia ´Made in Portugal`

Com uma equipa formada na sua maioria por jovens, Leonardo Jardim tinha em mãos a difícil tarefa de se intrometer na luta pelo título e fazer frente ao poderoso PSG, equipa com outros recursos e que dominou o futebol francês nos últimos quatro anos.

A verdade é que os ´miúdos` do ex-treinador do Sporting não acusaram a pressão e estiveram a época toda quase sempre na frente, fazendo uma prova fantástica.

Nas outras competições, o desempenho foi também notável. Perderam a final da Taça da Liga para o PSG e foram também derrotados nas meias-finais da Taça de França pelo mesmo adversário, numa eliminatória em que Leonardo Jardim optou por fazer poupanças, a pensar na Champions e a na Liga.

Na Liga dos Campeoes, a equipa chegou até as meias-finais onde foi eliminada pela Juventus com 4-1 no conjunto das duas mãos. Foi a primeira equipa a chegar a esta fase tão adiantada da prova, vindo da pré-eliminatória da Liga dos Campeões. Pelo meio, terminou em primeiro na poule E, num grupo que tinha o Bayer Leverkusen, o Tottenham e o CSKA de Moscovo. Na fase a eliminar, Bernardo Silva, Moutinho, Falcao, Mbappé e companhia eliminaram o poderoso Manchester City numa eliminatória renhida, decidida pelo critério dos golos fora (derrota por 5-3 em Manchester e vitória por 3-1 em casa). Seguiu-se o Borussia Dortmund nos ´quartos` (vitórias por 3-2 fora e 3-1 em casa).

Leoanardo Jardim: de treinador defensivo a técnico goleador

Esta época, Leonardo Jardim desfez o mito de ser um treinador defensivo. Na Liga Francesa, o Mónaco chegou aos 104 golos em 37 jogos, empatou por cinco vezes e só perdeu três encontros. Entre as vitórias, destaque para as goleadas fora por 7-0 ao Metz, 4-0 ao Bordéus, 4-1 ao Lille e ao Marselha. Em casa, os monegascos golearam o Montpellier por 6-2, o Nancy pot 6-0, o Metz e o Bastia por 5-0, o Marselha, o Lorient, o Nantes e o Lille, por 4-0.

Nos 37 jogos na Liga francesa, Jardim e companhia só perderam por três vezes. As derrotas foram com o Nice (4-0), Toulouse (3-1), todos fora de casa. Em casa, o único desaire foi frente ao Lyon (3-1). Dos cinco empates, quatro aconteceram fora de casa e todos a uma bola 1-1 (Saint-Étienne, Dijon, PSG e Bastia). Em casa, o único empate foi 2-2 com Guingamp.

Depois da derrota com o Lyon, na 18.ª jornada, o Mónaco partiu para uma série fantástica de 20 jogos sem perder, onde só empatou por duas vezes. Com a vitória esta noite sobre o Saint-Étienne, a equipa de Leonardo Jardim chega aos onze triunfos seguidos.

Os ´meninos` do título

Leonardo Jardim teve a sabedoria de formar uma equipa onde a juventude convive com a experiência. O jovem Mbappé, de 18 anos, joga ao lado de Radamel Falcao, de 31. Os dois são servidos por Bernardo Silva, de 22 anos, e Tomas Lemar, de 21, nas alas. Ainda no meio-campo, destaca-se Fabinho, de 23 anos, brasileiro que passou pelo Rio Ave, e ainda Tiémoué Bakayoko, de 22 anos. Esta dupla foi a mais utilizada por Jardim, com Moutinho a aparecer com terceiro médio com mais jogos.

Na linha defensiva, destaque para o polaco Kalem Glik, de 29 anos, central que faz dupla com o jovem brasileiro Jamerson. Nas laterais estão Benjamin Mendy de 22 anos e Djibril Sidibé de 24. A baliza é guardada por Subasic, de 32 anos.

No capítulo dos golos, destaque para Falcao. ´El Tigre` parece ter reencontrado o faro do golo e está a fazer uma época fantástica nos monegascos. Nos 42 jogos já disputados, o colombiano marcou 30 golos, sendo que 21 deles foram apontados na Liga Francesa onde soma 28 partidas.

Mas o grande destaque do ataque monegasco é, sem dúvida, Lotin Mbappé. O jovem prodígio conquistou a Europa com as suas arrancadas, fintas e golos e é mais que poderá rechear os cofres da equipa no final da época. Mbappé leva 26 golos nos 43 jogos que já fez pelo Mónaco esta época, 15 deles na Ligue 1 (28 jogos). Mas onde o jovem de 18 anos brilhou foi na Champions, onde marcou seis golos em nove jogos.

Além disso, é o segundo melhor na Liga no capítulo das assistências, ao ter feito nove passes para golos dos colegas, mais um que o criativo Bernardo Silva.

Alias, Bernardo Silva foi outro jogador que despontou e muito neste Mónaco de Jardim. O médio português é dos mais utilizados da equipa, tendo esta noite feito o seu jogo 57.ª com a camisola monegasca. Soma 11 golos, oito na Ligue 1 e um na Champions.

Na Equipa do Ano da ´Union Nationale des Footballeurs Professionnels`, o Mónaco colocou seis jogadores: Subasic, Mendy, Glik, Sidibé, Bernardo Silva e Mbappé. Cavani foi o Jogador do Ano.

Conteúdo publicado por Sportinforma