Itália

22-08-2013 09:24

Juventus favorita ao segundo "tri", 80 anos depois

Equipa de Antonio Conte é a principal candidata ao título, ao seu 30.º na “Serie A”.
Juventus favorita ao segundo

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

A Juventus parte sábado como favorita à conquista da edição 2013/2014 do campeonato italiano de futebol e a selar um “tri” que não consegue há 80 anos, desde o inédito “penta” de 1930/31 a 34/35.

Depois desse feito, a “velha senhora” já selou seis “bis”, mas, ao contrário do que sucedeu em 1932/33, falhou sempre o terceiro cetro conseguido, o que sucedeu em 61/62, 73/74, 78/79, 82/83, 98/99 e ainda em 2003/2004.

Em várias dessas temporadas, a “Juve” era também a inquestionável favorita, nomeadamente em 1982/83, quando partiu para a prova com seis campeões mundiais de 1982, incluindo Paolo Rossi, e ainda o francês Michel Platini, agora presidente da UEFA, ou o polaco Zbigniew Boniek.

Para chegar ao tão ansiado segundo “tri”, depois das incontestáveis vitórias de 2011/2012 e 2012/2013, a formação de Turim pouco mudou, mas surge com mais opções ofensivas, face às contratações do argentino Tevez (ex-Manchester City) e do espanhol Fernando Llorente (ex-Athletic Bilbau).

O treinador Antonio Conte, que apenas perdeu Giaccherini e Bendtner, pouco utilizados em 2012/2013, tem, assim, uma grande oportunidade de fazer história, numa época que já começou da melhor maneira, com a conquista da Supertaça, após uma goleada por 4-0 à Lázio, em pleno Olímpico de Roma,

Aos 34 anos, Andrea Pirlo vai continuar a ser o “cérebro”, numa estrutura base que continuará igualmente assente no guarda-redes Buffon, no defesa Chiellini, no médio chileno Arturo Vidal e no avançado montenegrino Vucinic.

Barzagli, Bonucci e o uruguaio Martin Caceres, na defesa, Marchisio, o ganês Asamoah, o suíço Lichtsteiner e o francês Pogba, no meio-campo, e Quagliarella e Giovinco, no ataque, são as outras grandes armas do plantel da “Juve”.

O conjunto de Antonio Conte é o principal candidato ao título, ao seu 30.º na “Serie A”, sendo que não parece haver um claro principal adversário, mas vários “outsiders”, casos de Nápoles, AC Milan, Inter de Milão ou AS Roma.

Segundo a época passada, os napolitanos mudaram muito, com a saída do treinador Walter Mazzarri e do goleador uruguaio Edinson Cavani, melhor marcador da última edição da prova, com 29 golos, depois de 23 em 2011/1012 e 26 em 2010/2011.

A escolha recaiu no espanhol Rafael Benitez (ex-Chelsea), que usou os 64 milhões de euros da venda de Cavani para contratar três jogadores ao Real Madrid (Albiol, Callejon e Higuain), sendo que as contratações se estendem a Reina (ex-Liverpool) e ao belga Mertens (ex-PSV).

Com a manutenção de Cannavaro, Maggio, Zuniga, Federico Fernandez, Armero, Inler, Dzemaili, Behrami, Insigne, Hamsik ou Pandev, os napolitanos são candidatos aos lugares cimeiros, mas ainda não deverá ser desta que repetem os sucessos únicos da “era” Maradona (1986/87 e 1989/90).

Ao contrário dos sulistas, o AC Milan, terceiro em 2012/2013, está, praticamente, inalterável, mantendo com grande referência o sue poder ofensivo, constituído por Balotelli e El Shaarawy, servidos por Montolivo e o ganês Kevin Prince Boateng.

Com o pouco mediático Andrea Poli (ex-Sampdória) como a contratação mais sonante, até à data, o “onze” de Massimiliano Allegri terá, sobretudo, como preocupação chegar à “Champions”, mais do que repetir o título de 2010/2011.

O vizinho Inter de Milão, agora liderado por Mazzarri (ex-Nápoles), procura, por seu lado, reagir ao miserável nono posto de 2012/2013, apoiado ainda em muitos veteranos, nomeadamente o quarentão Javier Zanetti.

Ainda na linha da frente, poderá aparecer a AS Roma, que apostou no técnico francês Rudi Garcia (ex-Lille) e contratou uma série de jogadores interessantes, como De Sanctis, Maicon, Benatia, Strootman e Gervinho. O veterano Totti, de 36 anos, ainda lidera, com De Rossi, Pjanic ou Lamela.

Por seu lado, e liderados pelos avançados alemães Miroslav Klose e Mario Gomez (ex-Bayern Munique), a Lázio e a Fiorentina, respetivamente, também são candidatas a surpreender, no mínimo a batalhar pela Europa.

Quanto à representação lusa, Pereirinha continua na Lázio, Rolando passou do Nápoles para o Inter de Milão, ainda emprestado pelo FC Porto, Bruno Fernando trocou o Novara pela Udinese e Aladje o Aprilia pelo promovido Sassuolo, enquanto Pedro Mendes chegou ao Parma, proveniente do Sporting.

Conteúdo publicado por Sportinforma com Lusa