Mundial2014

13-06-2014 00:12

Scolari só sabe ganhar na fase de grupos de Mundiais

Depois de três triunfos com o Brasil, em 2002, e outros tantos com Portugal, em 2006, “Felipão” voltou a vencer na fase de grupos, superando os croatas com dois golos de Neymar, o segundo num penálti polémico, e um de Oscar.
Scolari
Foto: AFP@ADRIAN DENNIS

Scolari irritado

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

O treinador brasileiro Luiz Felipe Scolari manteve hoje o pleno de vitórias na fase de grupos de Campeonatos do Mundo de futebol, ao somar face à Croácia (3-1) o sétimo triunfo, em sete jogos, na abertura do Mundial2014.

Depois de três triunfos com o Brasil, em 2002, e outros tantos com Portugal, em 2006, “Felipão” voltou a vencer na fase de grupos, superando os croatas com dois golos de Neymar, o segundo num penálti polémico, e um de Oscar.

Um golo na própria baliza de Marcelo, logo aos 11 minutos, ainda assustou, mas Scolari manteve mesmo o pleno de triunfos, que se alarga a jogos pelo Brasil em fases finais: oito triunfos, em oito jogos, já que venceu todos os disputados em 2002, rumo ao “penta”.

Pela seleção lusa, o técnico brasileiro também venceu os primeiros quatro jogos na Alemanha, em 2006, sendo recordista de triunfos consecutivos na história dos Mundiais, com 11, e também de jogos seguidos sem perder, com 12, incluindo um quinto com Portugal, face à Inglaterra, ganho no desempate por penáltis.

Em 2002, o Brasil, de Scolari venceu sucessivamente Turquia (2-1), China (4-0) e Costa Rica (5-2), na primeira fase, Bélgica (2-0), nos “oitavos”, Inglaterra (2-1), nos “quartos”, Turquia (1-0), nas “meias”, e Alemanha (2-0), na final.

Quatro anos depois, em 2006, Portugal superou Angola (1-0), Irão (2-0) e México (2-1), na fase de grupos, e depois a Holanda (1-0), nos oitavos de final. Nos “quartos”, também não perdeu, qualificando-se nos penáltis (4-1), face à Inglaterra.

Ao 13.º jogo, “Felipão” perdeu, finalmente, o primeiro jogo, nas meias-finais, face à França (1-2), para, depois, somar novo desaire consecutivo, no jogo do “bronze”, com a Alemanha (1-3). Hoje, quase oito anos depois, voltou aos triunfos.

No total, são 12 triunfos, um empate e duas derrotas, em 15 jogos, com 28 golos marcados e 10 sofridos. O recorde do alemão Helmut Schön, que venceu 16 jogos, entre 1966 e 1978, ao comando da RFA, não está seguro.

Conteúdo publicado por Sportinforma