Mundial2014

27-06-2014 08:46

Ninguém rematou tanto como Ronaldo na fase de grupos

Nos três jogos do Grupo G, o “capitão” da seleção portuguesa fez 23 remates, dos quais 14 enquadrados com a baliza, incluindo o golo e um tiro na trave
Portugal - Gana
Foto: JOSE SENA GOULAO

Ronaldo apontou o seu único golo no Mundial frente ao Gana

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

Cristiano Ronaldo foi o jogador mais rematador da fase de grupos do Mundial de futebol de 2014, com 23 tiros, mais três do que o francês Benzema, mas o aproveitamento do português resumiu-se a um golo.

De acordo com as estatísticas disponibilizadas no sítio oficial da FIFA na Internet, nos três jogos do Grupo G, o “capitão” da seleção portuguesa fez 23 remates, dos quais 14 enquadrados com a baliza, incluindo o golo e um tiro na trave, ambos frente ao Gana, no jogo em que acumulou mais tentativas, nove.

Nesta hierarquia, Ronaldo é seguido de Benzema, seu companheiro no Real Madrid, que finalizou 20 vezes. O francês dirigiu 15 remates à baliza, dos quais três resultaram em golo e um embateu nos “ferros”, aos quais se somam ainda cinco fora do “alvo”.

O ganês Asamoah Gyan, que marcou dois tentos na prova, surge na terceira posição do “ranking”, com um total de 18 remates, à frente do suíço Shaqiri, autor de um “hat-trick” num total de 17 tentativas, 13 das quais enquadradas.

Dos três melhores marcadores do Mundial2014, com quatro golos cada, o argentino Lionel Messi foi o que necessitou de mais remates para os conseguir, 17 no total, 13 em direção às balizas adversárias, enquanto o brasileiro Neymar e o alemão Thomas Müller precisaram apenas de 11 e sete tiros, respetivamente, para os concretizar.

Nani é o segundo luso na hierarquia, com 12 remates, seis bem direcionados e outros tantos errados, sendo seguido de Éder, com sete, apenas dois enquadrados, e Varela, com três.

No “ranking” de remates por equipas, Portugal, com um total de 53 remates (28 às balizas, 25 ao lado e dois nos postes), é apenas superado por França, com 62, e Gana, com 59, com a diferença de que a equipa lusa marcou três golos – o primeiro tento frente ao Gana foi marcado na própria baliza –, o Gana quatro e a França sete.

Conteúdo publicado por Sportinforma