Luís Filipe Vieira

10-12-2010 21:59

"Jesus faz parte da solução, não do problema"

O presidente do Benfica defendeu o treinador encarnado da contestação ao actual mau momento da equipa de futebol.

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

Jorge Jesus tem sido algo contestado devido aos resultados negativos mais recentes do Benfica, mas o presidente do clube da Luz, Luís Filipe Vieira, voltou hoje a sair em sua defesa.

"Nenhum benfiquista pode ter memória curta. O treinador do Benfica é o mesmo que nos deu o título nacional. O Jorge Jesus faz parte da solução, nunca do problema. Não podemos voltar a passado recente. Ninguém no Benfica está satisfeito com a situação que vivemos", afirmou o líder encarnado em declarações à Benfica TV. 

O presidente do Benfica recorreu mesmo ao despedimento de Fernando Santos em 2007 como um exemplo do que não deve ser feito em alturas mais difíceis. "Não podemos escolher o caminho mais fácil, que é o que nos conduz a mais problemas. Devemos recordar o que aconteceu com Fernando Santos. Foi um erro que cometi dizer-lhe que não iria continuar no Benfica. Tenho de aprender com os meus erros. Ao despedi-lo não se melhorou nada", frisou Vieira, deixando ainda um voto público de confiança a Jorge Jesus: "É o meu treinador." 

Reiterando que o clube “está no caminho certo”, lembrou que a equipa foi muito penalizada pelas arbitragens no início do campeonato, dizendo saber “quem tinha sido beneficiado”, antes de apelar aos sócios que demonstrem que estão com o treinador e os jogadores.

“Queremos voltar este ano a ser campeões nacionais, foi com este treinador e estes jogadores que o fomos. Aliás, ganhámos dois títulos no mesmo ano, o que não acontecia há 17 anos”, acrescentou o presidente "encarnado".

Acerca das notícias dando conta de uma revolução em curso no balneário benfiquista, Luís Filipe Vieira foi contundente: “Há realmente uma revolução, mas começou há oito ou nove anos, revolução pela credibilidade, pelo estádio novo, pelos ordenados em dia, pelo cumprimento religioso das obrigações e compromissos, pela transparência, pela derrota da hipocrisia que existia neste clube, por tratar o passado como ninguém tratou”.

Para Luís Filipe Vieira, “o caminho está traçado, não se vai recuar nem pôr em causa tudo o que foi feito por causa de três ou quatro maus resultados”, acrescentando ter “os pés bem assentes em terra e que não irá reagir a pressões de nenhum jornal”.

“A Rádio do Benfica está pensada, já encetámos contactos nesse sentido e vai tornar-se uma realidade. Com ela, fecharemos o ciclo da comunicação do clube”, revelou Luís Filipe Vieira que vê na rádio e na passagem do jornal do clube (que comemora 68 anos) a diário uma forma eficaz de “combater as notícias falsas sobre a instituição que todos os dias são publicadas nos jornais”.

O presidente "encarnado" deu ainda os parabéns à Benfica TV que comemora hoje dois anos de existência, considerando que se tratou de um projecto que “excedeu todas as expectativas” e que teve o condão de “aproximar os benfiquistas uns dos outros e pô-los a comunicar entre si”.

“Era um meio de comunicação de que os benfiquistas necessitavam e sonhavam”, disse Vieira, realçando a oportunidade que representa para os adeptos poderem seguir outras modalidades além do futebol, “o que era impensável e hoje se tornou uma realidade”.

A rematar, revelou que o processo de internacionalização da Benfica TV é irreversível: “Vamos lançar o canal em Timor e Angola, dois países importantes, e estar mais perto dos benfiquistas espalhados por todo o mundo. A Benfica TV vai crescer todos os anos e é imparável”.