Mercado

17-07-2012 18:20

Regresso de Liedson depende do Sporting

Bruno Paiva, um dos representantes do 'Levezinho', diz ao SAPO Desporto que o incidente que o avançado teve com Sá Pinto no passado «não será problema», caso surja um contacto do Sporting.
Regresso de Liedson depende do Sporting

Por João Paulo Godinho sapodesporto@sapo.pt

Liedson está de saída do Corinthians e não fecha as portas a um regresso ao Sporting, onde brilhou entre 2003 e 2010.

Em declarações ao SAPO Desporto, Bruno Paiva, um dos representantes do avançado, afirma que Liedson «não descarta nenhuma possibilidade» e que a bola está do lado do clube de Alvalade. «Não houve ainda um contacto do Sporting. Isso é uma questão do clube, mas se houver interesse eles sabem quem contactar», frisa.

A disponibilidade do 'Levezinho' em voltar a Portugal foi sublinhada pelo sentimento que o liga ao Sporting. «Existe um carinho muito grande do Liedson pelo Sporting, pelo vínculo que existe entre ele, o clube e os adeptos. É uma coisa muito forte», refere o agente, deixando também um alerta aos leões: «Existem alguns clubes interessados no Brasil e também de fora, por isso estamos a analisar a situação com calma.»

Nem o incidente que se registou entre Ricardo Sá Pinto e Liedson, em 2010, poderá ser um entrave ao regresso do jogador de 34 anos. «O Liedson é um profissional e como profissional essas questões são superáveis e não interferem. Um jogador profissional não pode confundir essas coisas. Se tiver de voltar, por parte do Liedson não existe problema.»

As questões financeiras que chegaram a pesar no momento da saída de Liedson de Alvalade podem igualmente não ser relevantes, já que o aspeto financeiro não é a única prioridade do jogador. «É uma questão financeira, mas também dos objetivos do clube e do projeto, o local...  A questão financeira não será a única a ser avaliada», explica Bruno Paiva.

«A gente pretende definir o mais rapidamente possível o futuro do Liedson. Trata-se de um jogador com uma carreira brilhante e temos de pensar bem para fazer a melhor escolha», acrescenta. 

Fora de hipótese está o fim da carreira, aos 34 anos. «É um jogador que começou tarde e que é muito diferente a nível físico dos outros jogadores. Está bem fisicamente e ainda pode jogar mais dois ou três anos», conclui.