Sporting

06-02-2016 16:28

Bruno de Carvalho: "Nem um chinês teria a paciência que o Sporting teve com Carrillo"

Líder leonino volta à carga nas críticas ao peruano.
Conferência de imprensa de Bruno de Carvalho
Foto: © 2014 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.; IN

Bruno de Carvalho comentou a ida de Carrillo para o Benfica

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

O presidente do Sporting voltou este sábado a comentar o processo de renovação com Carrillo, e garantiu que o emblema de Alvalade fez de tudo para que o extremo peruano continuasse de 'leão' ao peito.

André Carrillo acabou por ser contratado pelo rival Benfica, e Bruno de Carvalho garantiu, em entrevista ao 'Observador', que o Sporting fez de tudo para que o jogador renovasse contrato.

"Foi até às últimas consequências. Costuma-se falar na paciência do chinês, mas nem um chinês teria a paciência que o Sporting teve ao longo de todo este processo. Tentámos de tudo e de todas as formas. Posso-lhe dizer que a última conversa do agente, que ouvi pessoalmente, era ele a dizer a um administrador da SAD, que estava ao meu lado: 'Calma, calma, porque vou resolver isto, a proposta é excelente'", contou Bruno de Carvalho ao 'Observador'.

Na referida entrevista, o líder leonino frisou ainda que, "houve éne, éne, éne propostas, até se chegar a uma situação de rutura total", e que este processo acabou por se transformar uma autêntica 'telenovela' com avanços e recuos nas negociações.

Para Bruno de Carvalho, houve um propósito "para se chegar a um momento de litígio" e revela alguns dos contornos da negociação com o peruano.

"Estou uma série de anos a tentar fazer a renovação e, na única vez que falo diretamente com o jogador, chego a acordo em cinco minutos", garante Bruno de Carvalho, lamentando que o agente Elio Casareto tenha conduzido o processo "de uma forma muito estranha".

"Depois da conversa de cinco minutos, o agente veio e houve uma segunda versão. Depois apareceu uma terceira… Até dezembro, devem ter havido mais umas cinco versões", prosseguiu Bruno de Carvalho, esclarecendo depois que no total foram "para aí", oito, no "mínimo".

Conteúdo publicado por Sportinforma