Académica 1-2 FC Porto

24-04-2016 10:01

Análise: 'Dragão' não des(ilude) antes de receber o 'leão'

Golo de Brahimi aos 66 minutos garantiu o triunfo portista.
Brahimi celebra o golo da vitória do FC Porto em Coimbra
Foto: Paulo Novais

Brahimi celebra o golo da vitória do FC Porto em Coimbra.

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

O FC Porto precisou de correr atrás do prejuízo em Coimbra para derrotar uma 'aflita' Académica de Coimbra que se adiantou no marcador com um golo de livre direto de Pedro Nuno aos 25 minutos.

A equipa de José Peseiro conseguiu empatar antes do intervalo com um grande golo de Rúben Neves aos 38 minutos, e no segundo tempo as substituições do técnico portista acabaram por construir a reviravolta com a entrada de Brahimi e André André.

O internacional argelino consumou a reviravolta aos 66 minutos na primeira vez que tocou na bola e garantiu o triunfo dos 'dragões', que até ao final poderiam ter dilatado ainda mais a vantagem. O centro-remate de Brahimi acabou por desviar num jogador da Académica e trair Pedro Trigueira.

Os portistas passaram mais um teste difícil antes de receberem o Sporting no Dragão enquanto que a Académica sofreu o 17.º desaire na prova e continua no penúltimo lugar, com 24 pontos.

Momento(s) do jogo:

A resposta positiva do FC Porto à desvantagem no marcador numa altura em que dominava o adversário foi uma prova de carácter da equipa de José Peseiro. O golo de Rúben Neves aos 38 minutos foi um hino ao futebol e um dos momentos do jogo em Coimbra. Já a entrada de André André e Brahimi acabaram por ser cruciais para a reviravolta no marcador.

Os melhores:

Maxi Pereira: O lateral uruguaio voltou a ser um poço inesgotável de energia no corredor direito do FC Porto, sempre com uma presença muito intensa a defender e uma disponibilidade incrível a atacar. Fez a falta que originou o golo de livre da Académica, mas pelo que fez no resto do jogo isso acabou por ser apenas um pormenor.

Danilo Pereira: Jogou numa posição que não é a sua, mas conferiu solidez defensiva ao lado de Martins Indi. O jovem médio portista foi um autêntico farol de tranquilidade à frente de Helton, demonstrando uma capacidade de desarme de bola avassaladora e uma confiança a sair com a bola que talvez fizesse falta mais à frente no terreno.

Brahimi: É verdade que entrou na segunda parte e apenas jogou na última meia hora de jogo. No entanto, o 'mago' argelino necessitou de poucos minutos em campo para fazer a diferença, e que neste caso valeu três pontos ao FC Porto.

Pedro Nuno: Não é fácil combater o meio-campo do FC Porto, especialmente com Herrera em crescendo, mas Pedro Nuno mostrou maturidade e ritmo para garantir uma 'Briosa' com forte personalidade. O golo de livre aos 25 minutos foi a confirmação de uma exibição acima da média e de uma qualidade soberba num momento de grande pressão.

Os piores:

Corona: Faltou-lhe adrenalina no corredor esquerdo para criar desequilíbrios. Com uma exibição apagada, Corona não conseguiu corresponder às várias solicitações dos seus companheiros de equipa para criar perigo. Saiu aos 86 minutos para dar lugar a Francisco Ramos.

Rabiola: Sempre com muitas dificuldades frente aos centrais do FC Porto, o avançado da Académica acabou por ser inconsequente na procura pelo golo. Aos 61 minutos podia ter colocado a Académica novamente em vantagem mas acabou por atirar um remate fraco para as mãos de Helton.

Curiosidades:

Helton regressa à baliza do FC Porto na Liga. O último jogo no campeonato foi há 11 meses na vitória dos 'dragões' sobre o Penafiel por 2-0 Penafiel.

Nos últimos 6 jogos longe do Dragão, o FC Porto marcou 5 golos e nenhum por intermédio de um avançado.

O FCPorto garantiu matematicamente a presença na qualificação da Liga dos Campeões, competição onde os dragões marcam presença desde 2011/12.

Conteúdo publicado por Sportinforma