Arouca

11-08-2016 18:35

Jogadores e equipa técnica do Arouca ajudaram a salvar a casa do presidente dos incêndios

Carlos Pinho chegou a ter a casa em risco devido ao agravamento dos incêndios em Arouca nas últimas horas.
Carlos Pinho
Foto: OCTÁVIO PASSOS / LUSA

Carlos Pinho agradeceu os esforços da família do Arouca

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

Durante a madrugada de hoje, o presidente do Arouca, Carlos Pinho, teve a casa em risco e contou com o apoio dos atletas e equipa técnica do clube da I Liga de futebol para combater as chamas, disse à Lusa o dirigente.

A vila de Arouca viveu momentos de angústia, com o fogo a aproximar-se do centro da vila, colocando em risco várias casas, nomeadamente a do presidente do Arouca. Conscientes de que os bombeiros no terreno eram poucos para enfrentar um incêndio desta dimensão, jogadores e treinadores ajudaram no combate. "Nós somos uma família e ontem mostrámos isso mais uma vez. Fiquei muito feliz por eles terem vindo ajudar. Vieram jogadores, treinadores, até as mulheres dos jogadores andaram a passar água. Fiquei aflito. Achei que ia tudo, que perdia a casa, mas controlámos tudo com as mangueiras e ramos", relatou Carlos Pinho à Lusa.

"São situações complicadas e a união faz a força. O clube é uma família, é gerido por uma família, e por ser um meio mais pacato acabamos por criar ligações mais fortes. Nos momentos de aflição, toda a ajuda é pouca. Sei que todos os que puderam estiveram lá a ajudar", explicou o capitão Nuno Coelho, que tinha ido à Póvoa de Varzim visitar a família, mas que rapidamente regressou a Arouca.

O atleta do clube conta que cerca de uma dezena de elementos do clube se juntou após receber uma mensagem do diretor desportivo, filho do presidente, Joel Pinho, a descrever a situação. A mensagem foi partilhada num grupo privado de conversa numa rede social. O grupo esteve durante toda a madrugada de vigia, junto à casa do presidente, e controlou vários reacendimentos, mantendo-se no local mesmo depois da chegada dos bombeiros.

"Depois chegaram os bombeiros e ajudaram-nos. Eles [os bombeiros] têm sido incansáveis e também lhes estou muito grato. Também a amigos e funcionários da empresa. Estou muito grato a todos os que estiveram aqui a ajudar-me. Tenho 57 anos e nunca me vi em semelhante aperto", agradeceu o dirigente.

Devido ao fumo e à consequente má qualidade do ar, o plantel do Arouca não realizou o treino previsto para hoje e reagendou os treinos de sexta-feira e de sábado para um campo de treinos fora do concelho, ainda não divulgado.

Conteúdo publicado por Sportinforma