Caso Rafa

25-08-2016 00:06

Onsoccer acusa Braga de "má-fé e despudor"

O clube minhoto afirma que a saída de Rafa continua sem concluir-se porque a empresa ligada a António Araújo exige 1,6 milhões de euros por uma intermediação que o Braga, contudo, diz não ter existido.
Rafa Silva lamenta a derrota em Braga diante do Shakhtar
Foto: ESTELA SILVA/LUSA

Rafa ao serviço do SC Braga

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

A Onsoccer International, empresa que agencia jogadores de futebol, repudiou hoje o comunicado do Sporting de Braga que lhe atribui responsabilidades no impasse da transferência de Rafa para o Benfica, e admite recorrer aos tribunais.

O clube minhoto afirmou hoje que a saída de Rafa para os 'encarnados' continua sem concluir-se porque a empresa ligada a António Araújo exige 1,6 milhões de euros por uma intermediação que o Braga, contudo, diz não ter existido.

Em resposta, a Onsoccer International "repudia veementemente" o teor do referido comunicado, "desmentindo de forma perentória as afirmações ali veiculadas, por notoriamente falsas, levianas e totalmente desconformes com a realidade e com os compromissos contratuais assumidos por aquela SAD".

A empresa defende que foi "habilitada prévia e contratualmente" pelo Sporting de Braga "para intermediar a transferência entre clubes" de Rafa, "auferindo a correspondente remuneração e que, única e exclusivamente, por via da sua ação, em representação e no interesse do Sporting de Braga, foi possível obter um princípio de acordo com o Benfica".

"Lastima-se a má-fé e despudor evidenciados pelo Sporting de Braga, assim como a forma grave e artificiosa com que procura justificar publicamente o incumprimento das suas obrigações contratuais, após ter como certos os resultados pretendidos", pode ler-se no seu sítio na internet.

A Onsoccer conclui revelando que se reserva no direito de "agir judicialmente contra a administração" do Sporting de Braga "por tão graves e difamatórias afirmações".

Segundo o clube bracarense, "a negociação foi integralmente levada a cabo entre [os] presidentes" António Salvador e Luís Filipe Vieira, pelo que "não pode a Sporting de Braga SAD ser onerada com um custo conexo com um serviço que não foi prestado".

"A intermediação entre clubes não existiu nem foi passado pela Sporting de Braga SAD ou Benfica SAD (tanto quanto sabemos) qualquer mandato à Onsoccer International ou outra pessoa/entidade para o efeito", lê-se no comunicado 'arsenalista'.

Conteúdo publicado por Sportinforma