Futebol

21-03-2017 17:52

Pedro Proença apadrinha início dos trabalhos da academia do V. Setúbal

Fernando Oliveira refere que independentemente do desfecho das eleições de sexta-feira, o projeto da Academia tem de avançar.
Pedro Proença, presidente da Liga de Clubes
Foto: DR

Pedro Proença, presidente da Liga de Clubes

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional elogiou hoje o trabalho desenvolvido por Fernando Oliveira, presidente do Vitória de Setúbal e candidato às eleições de sexta-feira, durante o início dos trabalhos da futura academia do clube.

"A Academia que vai ser criada é o corolário de alguém que teve uma visão para o seu clube. Sentimo-nos satisfeitos por ter o Vitória de Setúbal como filiado e o presidente Fernando Oliveira, que tem interpretado como ninguém o que é também o plano estratégico da Liga. É nos jovens jogadores portugueses com talento que temos o futuro assegurado", disse.

Na iniciativa, que contou com a presença do capitão dos sadinos, Frederico Venâncio, e de vários atletas da formação que trabalham com a equipa principal, o presidente dos vitorianos frisou a importância do empreendimento.

"É urgente concretizar este projeto de forma a proporcionarmos melhores condições aos nossos jovens. As coisas não têm sido fáceis, estamos a começar a respirar. Tínhamos a obrigação e uma necessidade tremenda de avançar com a academia", referiu.

Com a aprovação do estudo de viabilidade na Câmara Municipal, o clube aguarda agora pela aprovação do projeto do gabinete de arquitetura.

"Depois de terraplenarmos o terreno, chamaremos os responsáveis pela relva para vermos a hipótese de fazermos alguns relvados. Não temos ainda a licença para a construção, mas ninguém nos proíbe de fazer uns relvados neste espaço. Estamos carentes dessa infraestrutura", disse.

Fernando Oliveira refere que independentemente do desfecho das eleições de sexta-feira, o projeto da Academia tem de avançar.

"Se os sócios não me escolherem, o candidato que vencer só tem de seguir com a Academia. Trata-se de um equipamento para o Vitória e não para o ‘Vitória Santos não sei quê'. A Academia faz tanta falta como do pão para a boca", sublinhou.

Conteúdo publicado por Sportinforma