FC Porto

23-03-2017 23:07

Jardel recorda os 5-0 ao Benfica e como Pinto da Costa o desviou... da Luz

Mas antes de Benfica e FC Porto, o destino de Jardel poderia ser outro.
Mário Jardel com a camisola do FC Porto

Mário Jardel com a camisola do FC Porto

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

Mário Jardel recordou a sua estreia com a camisola do FC Porto em jogos oficiais. É certo que o goleador não marcou mas viu os ´dragões` golearem o Benfica em pleno Estádio da Luz por 5-0, em jogo da segunda-mão da Supertaça de Portugal de 1996/1997.

"Nesse dia nasceu o meu filho, mas eu não marquei. Esse é um jogo de que toda a gente se lembra. Chegares à Luz e meteres cinco golos... Eles ficam loucos!", recordou, em entrevista ao PortoCanal.

A história podia ser diferente já que o brasileiro esteve com um ´pé e meio` no Benfica. Até aparecer Pinto da Costa.

"Estava entre o FC Porto e o Benfica. Pinto da Costa, um grande presidente, sentiu que o Benfica ia contratar-me, foi lá e comprou-me. Inicialmente era para ser emprestado ao FC Porto mas acabei por ser transferido a título definitivo", começou por contar.

"De repente soube que Gaspar Ramos [antigo dirigente do Benfica] queria pagar-me mais 100 mil, mas Pinto da Costa resolveu logo tudo e comprou-me. Espetacular atitude", atirou.

Mas antes de Benfica e FC Porto, o destino de Jardel poderia ser outro. O antigo avançado tinha dado nas vistas no Grémio de Porto Alegre pelo que havia muitos clubes na Europa interessados no seu serviço. Um deles era o Glasgow Rangers.

"Estive para ir jogar para o Rangers, mas não foi possível por não ter internacionalizações. Depois, a pré-época pelo FC Porto foi na Escócia. Essa parte da época é mais puxada do que no Brasil e cheguei um pouco cansado. Não estava a demonstrar muita qualidade nos treinos, mas também nunca fui muito disso. Fui mais de demonstrar qualidade nos jogos", recordou.

Nos primeiros treinos de azul-e-branco Super Mário, como ficou conhecido, não estava a mostrar serviço. Até os próprios colegas desconfiavam das suas qualidades.

"Lembro que alguém me disse que o Drulovic tinha perguntado quem eu era porque eu não acertava numa bola nos primeiros treinos. Eu respondi que na hora do jogo eu iria resolver. Fizemos um treino às 9h da manhã e fomos para o estádio do Hearts. Na primeira parte fiz dois golos e saí. 'Tome, dois sacos'. Aí começaram a olhar para mim de maneira diferente", frisou.

Conteúdo publicado por Sportinforma