Football Talks

24-03-2017 14:01

'Match-fixing', uma dor de cabeça (ainda) sem remédio

Andreas Krannich, diretor executivo da Sportradar, apelou ao combate à viciação de resultados no Football Talks.
Andreas Kannich no Football Talks
Foto: FPF

Andreas Kannich

Por Eduardo Santiago e Inês Antunes sapodesporto@sapo.pt

Desengane-se aquele que pensa que o 'match-fixing' não passa de um mito do futebol e da prática desportiva em geral. Andreas Kannich, diretor executivo da Sportradar, empresa líder mundial em serviços de integridade aplicados ao desporto, esteve esta sexta-feira no Football Talks para falar sobre o fenómeno crescente da combinação de resultados nas diferentes modalidades.

O dirigente considera que a monitorização no sentido de prevenir a proliferação deste fenómeno tem crescido nos últimos 17 anos, mas nota que "ainda faltam dar alguns passos" em termos de regulamentação e punição dos infratores.

Os números falam por si. Desde 2009 foram detetados 2900 partidas desportivas que resultaram em 2000 participantes considerados culpados e consequentemente castigados pelas entidades desportivas. Contudo, apenas 24 indivíduos foram considerados culpados e sancionados judicialmente. "Resultados pouco visíveis", referiu Kannich.

Andreas Kannich salientou ainda que o continente asiático acaba por ser o mais problemático no que ao 'match-fixing' diz respeito, devido à pouca regulamentação que ainda existe. Destacou, no entanto, alguns (ainda que poucos) casos de "sucesso" no combate aos resultados combinados no futebol. Na UEFA, foram detetados e punidos escândalos envolvendo dois clubes, o Skenderbeu, da Albânia, e o FK Kruoja, da Lituânia. Já no caso da Confederação Asiática de Futebol, foi a própria federação do Laos a ser visada.

De referir que a Sportradar mantém parcerias com diversas organizações internacionais, entre as quais a UEFA, a AFC (Confederação Asiática de Futebol), a ‘World Rugby’, a ICC (Câmara Internacional de Comércio), a NBA e a NHL (Liga Nacional de Hóquei), e monitoriza cerca de 230 competições de futebol em todo o mundo.

Em dezembro de 2016 foi assinada uma parceria entre a empresa suíça e a Federação Portuguesa de Futebol, para que a primeira passe a monitorizar, a partir de janeiro de 2017, as competições não profissionais de futebol sujeitas a aposta.

Conteúdo publicado por Sportinforma