Clássico

30-03-2017 21:17

FC Porto com uma segunda volta quase perfeita

Os ‘dragões’ chegam ao clássico no Estádio da Luz (20:30), da 27.ª jornada do campeonato, atrás do tricampeão em título.
FC Porto vs SC Braga
Foto: Lusa

André Silva e Danilo celebram um golo

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

Benfica-FC Porto: ‘Dragões’, com segunda volta quase perfeita, ameaçam

Uma segunda volta quase perfeita deixou o FC Porto nos ‘calcanhares’ do Benfica, a um ponto, com os dois emblemas, que se defrontam no sábado, a discutirem taco-a-taco o título da I Liga de futebol.

Os ‘dragões’ chegam ao clássico no Estádio da Luz (20:30), da 27.ª jornada do campeonato, atrás do tricampeão em título, mas a dependerem apenas de si próprios, após recuperarem de distância que chegou a ser de sete pontos.

Com a I Liga a ter os habituais comandos repartidos no arranque, situação que a equipa portista partilhou com várias equipas na primeira jornada e com Sporting na segunda, foi a partir da terceira que houve um candidato isolado, o Sporting.

Uma situação que foi efémera, na terceira e quarta jornadas, já que a partir daí o Benfica assumiu a liderança isolada, que mantém até agora, perseguido primeiro por Sporting e, depois, por FC Porto.

O cenário mais regular do Benfica contrastou com uma primeira volta mais comprometedora do FC Porto, que chegou a valer-lhe um atraso de sete pontos para o rival, fruto da perda de 11 pontos em 11 jornadas, um terço dos 33 pontos possíveis.

Com algumas dificuldades em ter uma equipa base, os ‘dragões’ perderam o primeiro jogo – e até agora único - no clássico em Alvalade (2-1), a 28 de agosto, mas o pior momento aconteceu em três empates consecutivos.

Antes, a 18 de setembro, o FC Porto não conseguiu mais do que ‘nulo’ em Tondela, mas, entre a nona e 11.ª jornadas, empatou com Vitória de Setúbal (0-0, fora), Benfica (1-1, em casa) e Belenenses (0-0, fora).

As carências foram muitas vezes ‘disfarçadas’ pela capacidade de André Silva em fazer golos (11 na primeira volta, para 15 no total), mas a mudança de paradigma aconteceu na segunda metade, muito pela chegada do brasileiro Soares (ex-Vitória Guimarães).

Ainda antes de fechar a primeira volta, à qual chegou com quatro pontos de diferença para o Benfica – face às perdas dos ‘encarnados’ (derrota com o Marítimo e empate com o Boavista) -, o FC Porto empatou em Paços de Ferreira, à 16.ª ronda.

O início do ano acabaria, no entanto, por ser renovador para a equipa: contratou ‘Tiquinho’, atual segundo melhor goleador da I Liga, e encetou uma série, a melhor do campeonato, de nove jogos consecutivos a vencer.

Desde a última jornada da primeira volta, com uma goleada ao Moreirense (3-0) a 15 de janeiro, a equipa venceu sucessivamente Rio Ave (4-2, casa), Estoril (2-1, fora), Sporting (2-1, casa), Vitória de Guimarães (2-0, fora), Tondela (4-0, casa), Boavista (1-0, fora), Nacional (7-0, casa) e Arouca (4-0, fora).

A contratação de Soares parece ter sido a ‘faísca’ que faltava ao ‘Dragão’, que em nove embates da segunda volta consegue ter quase tantos golos (27) como os que marcou em toda a primeira (31) metade do campeonato.

Soares estreou-se frente ao Sporting, a 04 de fevereiro e marcou logo dois golos, voltando a ‘comemorar’ com a camisola portista frente a Guimarães (um golo), Tondela (um), Boavista (um), Nacional (dois) e Arouca (um).

O FC Porto passou a ter o melhor ataque da I Liga, com 58 golos, mas mantendo a melhor defesa, com 12 sofridos, e Soares apenas ficou em ‘branco’ no único jogo em que os ‘dragões’ perderam pontos na segunda volta, na última jornada, em casa com o Setúbal (1-1).

O jogo frente aos sadinos tinha o ‘aperitivo’ de poder colocar o FC Porto na liderança, depois de o Benfica ter empatado em Paços de Ferreira (0-0), mas a oportunidade acabou desperdiçada e a equipa estará no clássico a um ponto do rival.

A I Liga é a meta que resta no ‘horizonte’, o único troféu que a equipa - sem vencer o campeonato há três épocas -, ainda pode conquistar, face às eliminações prematuras da Taça da Liga e Taça de Portugal, além da inevitável saída da Liga dos Campeões, nos ‘oitavos’, como o Benfica.

Conteúdo publicado por Sportinforma