Futebol

31-03-2017 14:41

Pedro Proença preocupado que reformas competitivas da UEFA possam afetar I Liga

Dirigente português falou na conferência de imprensa de encerramento da Assembleia Geral da Associação Europeia de Ligas Profissionais de Futebol realizada no Estádio do Dragão.
Pedro Proença discursa no segundo dia do Football Talks 2017
Foto: FPF

Pedro Proença preocupado que reformas competitivas da UEFA possam afetar I Liga

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, disse hoje estar preocupado que a reformulação das competições organizadas sob a égide da UEFA, nomeadamente no que respeita à calendarização, possa afetar o campeonato português.

Pedro Proença falava na conferência de imprensa de encerramento da Assembleia Geral da Associação Europeia de Ligas Profissionais de Futebol (EPFL), da qual a LPFP integra a direção, e que durante dois dias decorreu no Estádio do Dragão, no Porto.

“Estamos a trabalhar no sentido de apresentar propostas à UEFA para este novo ciclo [2018-2021]”, referiu Pedro Proença, manifestando-se ainda apreensivo face às alterações previstas pela UEFA no que respeita à distribuição dos direitos televisivos pelos clubes que participam nas provas europeias.

Com o memorando de entendimento caducado e por renovar, e atendendo que este é o documento que permite harmonizar as datas e calendários entre os campeonatos e as competições da UEFA, a EPFL receia que a renovação dos quadros competitivos da Liga dos Campeões e da Liga Europa possa ter um impacto negativo nas ligas nacionais.

O presidente da EPFL, Lars-Christer Olsson, traçou um “balanço bastante positivo” da Assembleia Geral e dos seminários que decorreram no Porto, bem como das conclusões, que serão adaptadas em propostas a apresentar à UEFA, a 06 de junho, em Genebra.

“Foi desenvolvido um importante trabalho e foram abordados assuntos fulcrais, como os relacionados com a calendarização da UEFA e com os dinheiros a distribuir pelos clubes envolvidos nas competições europeias. Tomámos decisões e estamos satisfeitos com as conclusões”, referiu Lars-Christer Olsson.

A EPFL receia que a reformulação das competições organizadas pela UEFA possa provocar uma sobrecarga, em termos de jogos, e a coincidência de datas com as ligas nacionais, o que seria nocivo e contraditório do espirito do organismo, que visa o desenvolvimento e o nivelamento entre os campeonatos dos vários países.

“O nosso objetivo é incrementar e elevar o nível de cada campeonato nacional. A restruturação a incutir nas provas da UEFA para o ciclo 2018-2021 pode prejudicar as provas nacionais e repercutir-se nas próprias provas europeias”, referiu o presidente da EPFL, salientando que “nada está ainda decidido” e “que as negociações vão continuar”.

A UEFA está a estudar a reformulação dos seus quadros competitivos, numa reforma que implica, entre outos, a entrada direta na Liga dos Campeões dos quatro primeiros classificados dos quatro campeonatos melhor posicionados no ‘ranking’ e um maior número de jogos.

Conteúdo publicado por Sportinforma