Clássico

01-04-2017 12:12

Benfica ou FC Porto, quem está em melhor forma?

Rivais procuram embalagem para título demasiado importante
andré andré fc porto benfica golo festa

André André festeja um golo no Clássico

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

Benfica e FC Porto procuram hoje ganhar embalagem para um título de uma importância desmedida para os grandes dominadores do futebol português, que chegam ao ‘clássico’ da 27.ª jornada da I Liga separados por um magro ponto.

O clube lisboeta, tricampeão nacional, é o recordista de títulos, com 35 troféus, mas procura conquistar um inédito ‘tetra’, algo que os rivais Sporting e FC Porto já alcançaram, enquanto a equipa portuense tenta evitar o regresso a um passado que não recorda com agrado.

A última vez que os ‘dragões’ estiveram quatro anos seguidos sem festejar na avenida dos Aliados foi em 1984, antes de, sob a presidência de Pinto da Costa, reformarem o equilíbrio de forças do futebol português, ultrapassando o Sporting como segunda potência, com 27 títulos, contra 18 dos ‘leões’.

O Benfica vai entrar no Estádio da Luz com um ponto de vantagem, depois de ter desbaratado seis pontos na transição do ano, mas o cenário poderia ser ainda mais ‘negro’, caso o FC Porto não tivesse desaproveitado o deslize ‘encarnado’ em Paços de Ferreira (0-0), ao empatar 1-1 na receção ao Vitória de Setúbal.

Para sair de Lisboa na liderança, o FC Porto precisa de impor ao Benfica a primeira derrota em casa, onde as ‘águias’ venceram 11 dos 13 jogos que disputaram, ainda que os portuenses tenham um saldo positivo de quatro vitórias e apenas duas derrotas na última década.

O triunfo lançará os anfitriões para o histórico ‘tetra’, enquanto o empate – aliado à igualdade 1-1 da primeira volta – remeterá a questão do título para as vicissitudes da reta final da I Liga, em que o FC Porto tem três deslocações complicadas (Braga, Chaves e Marítimo), mas o Benfica terá de enfrentar a mais difícil de todas, ao estádio do Sporting.

O treinador Rui Vitória depara-se com mais problemas para constituir o melhor ‘onze’ do que Nuno Espírito Santo, subsistindo dúvidas sobre a utilização dos influentíssimos Fejsa e Lindelof, além de continuar privado de Grimaldo, todos devido a lesão.

O defesa central sueco falhou mesmo os dois jogos da seleção sueca – o último dos quais no particular com Portugal, que perdeu por 3-2 -, enquanto o sérvio, o sustentáculo do meio campo do tricampeão nacional, não joga há mais de um mês.

Sem lesionados, o único problema do treinador do FC Porto – comum a Rui Vitória – foi a ausência de vários internacionais durante quase duas semanas e o estado em que eles se apresentarão ao ‘serviço’, ainda que, no caso da seleção portuguesa, Fernando Santos tenha feito uma gestão salomónica dos jogadores dos dois clubes.

O ‘clássico’ promete também um duelo emocionante de goleadores, entre a dupla Mitroglou e Jonas, melhor marcador do campeonato passado, e Soares (autor de nove golos em sete jogos desde que foi contratado pelos ‘dragões’) e André Silva, segundo e terceiro ‘artilheiros’ da prova nesta época.

O jogo terá casa cheia e será de alto risco, a todos os níveis - até pela recente ‘frente de guerra’ aberta pelo Benfica contra a federação e a Liga de clubes.

Conteúdo publicado por Sportinforma