Gaspar Ramos

11-04-2017 18:45

"Aliança Porto-Sporting? Por muito que custe, o Benfica é maior que os dois juntos"

Numa entrevista exclusiva ao SAPO Desporto, o antigo dirigente do Benfica considera que a possibilidade do tetra na Luz acelerou a reedição de uma aliança entre FC Porto e Sporting
Gaspar Ramos, antigo dirigente do Benfica

Gaspar Ramos, antigo dirigente do Benfica

Por Eduardo Santiago sapodesporto@sapo.pt

O Sporting não pode aliar-se ao FC Porto nos termos em que o está a fazer, afirmou Gaspar Ramos em entrevista ao SAPO Desporto. O antigo dirigente do Benfica considera que o emblema de Alvalade deveria ter aprendido com os erros do passado e que já viu este 'filme' há mais de duas décadas: FC Porto a criar divisões nos clubes da capital para poder liderar melhor.

"Esta aliança entre FC Porto e Sporting é um filme que eu já vi há uns anos largos, e preocupa-me bastante que isto esteja a acontecer agora. É certo que normalmente o FC Porto procura criar divisões entre Benfica e o Sporting para poder de algum modo liderar melhor. Contudo, não acontecia aquilo que agora se está a ver, que é o Sporting a juntar-se ao FC Porto numa campanha contra o Benfica", começou por afirmar Gaspar Ramos em declarações ao SAPO Desporto.

Questionado sobre as razões que levam o clube leonino a juntar-se ao FC Porto para atacar o Benfica, o antigo diretor desportivo do Benfica considera que ser um erro por parte do Sporting aliar-se ao emblema portista nas condições que está a fazer.

"O Sporting toma estas atitudes porque não tem uma experiência do passado e não sabe onde é que está o grande problema do futebol português pois estão a juntar-se a quem não está interessado em resolver o problema do futebol português e por isso não olha a meios para atingir os objetivos. O Sporting pensa que o problema está no Benfica, mas o problema não está no Benfica. O problema está onde já esteve no passado, porque são eles [FC Porto] que procuram ter o poder para usar em seu favor, e é isso que é necessário ser travado. E para isso o Sporting não pode aliar-se ao Porto nos termos em que está a fazer, porque senão um dia quando tiver uma equipa que possa competir com o FC Porto, como aliás já tem neste momento, mas que não está em condições nesta fase do campeonato de o fazer, vai ter muitas dificuldades em ganhar ao Porto, e eu sei o que se sofre para atingir esse objetivo. E neste momento estou a ver exatamente aquilo que eu já vi no passado", acrescentou Gaspar Ramos.

"Quando no meu tempo havia os grupos de pressão dirigidos pelo guarda Abel, hoje temos um outro tipo de 'guarda' que de algum modo pratica os mesmos actos mas de uma forma mais refinada, e isso é muito complicado para o futebol português", frisou o antigo dirigente do Benfica.

"Vejo com muita preocupação esta atitude do Sporting, não por ser em relação ao Benfica no seu todo, pois é mais em relação ao futebol nacional. Porque o Benfica é grande, como todos nós já sabemos. Por mais que custe a muita gente, o Benfica é se calhar maior que o Sporting e o FC Porto juntos. Esta é que é a grande realidade. Agora, em termos de competição, é claro que podem equivaler-se e naturalmente poder como numa determinada altura o FC Porto ganhar mais títulos do que o Benfica", afirmou Gaspar Ramos para depois acrescentar que o dinheiro envolvido na conquista de títulos tenha influência nas estratégias fora das quatro linhas, porque 'as vitórias são fundamentais para que se atinjam os níveis financeiros necessários'.

Em relação à mais recente polémica a envolver Samaris, Gaspar Ramos considerou que se está a alimentar uma "guerra que não leva a lado nenhum", e considera que não houve agressão efectiva do médio grego a Diego Ivo.

"A minha maior preocupação é que se esteja a fazer uma 'guerra' que não leva a lado nenhum. É mais uma 'guerra' que a comunicação social também explora, mas não tem um significado por aí fora. Veja, a situação do próprio Samaris, eu vi ontem uma imagem onde se vê, e eu procuro ser o mais justo possível nas minhas apreciações e fujo àquele nível de defender o indefensável, mas ontem acabei por verificar que o Samaris, mesmo perdendo a cabeça num determinado momento, acabou por não atingir o adversário porque a mão quando chega ao corpo do adversário já vai estendia, com os dedos estendidos, e até passa ao lado. Penso que esse pedido de castigo ao Samaris vai acabar em águas de bacalhau", considerou Gaspar Ramos.

A terminar, Gaspar Ramos considerou ser notório que o objetivo para a aliança entre FC Porto e Sporting seja a possibilidade da conquista do tetra por parte do Benfica.

"Uma coisa que é notória é que o Sporting e o FC Porto estão juntos para impedir o Benfica de conquistar o tetra. Os jogos deviam ganhar-se dentro das quatro linhas, e acho que hoje há um grande controlo sobre isso, e os próprios agentes que podem determinar os resultados e podem influenciar os resultados dentro de campo estão debaixo de um controle enorme, e eles próprios têm vontade de fazer bem. Agora, podem errar como qualquer ser humano. Espero que efectivamente estas situações acabem por não se reflectir nos resultados dos jogos porque os jogadores estão habituados a este tipo de pressão e isto não vai chegar a eles. Agora, o que cria é um estado de espírito em relação às pessoas que gostam e acompanham o futebol, em que as pessoas ficam de tal maneira exacerbada e acicatas com a clubite que podem levar a cometer actos que não podem acontecer em lado nenhum", sentenciou Gaspar Ramos.

Conteúdo publicado por Sportinforma