Futebol

20-04-2017 11:30

Queixas do Sporting podem levar a interdição do Estádio da Luz

O orgão disciplinar da FPF reconheceu que há matéria suficiente para abrir um processo disciplinar ao Benfica.
Adeptos do Benfica
Foto: Lusa@MANUEL DE ALMEIDA

Adeptos do Benfica

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

O Estádio da Luz pode ficar interditado depois de o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol ter aceite a queixa do Sporting.

O orgão disciplinar da FPF reconheceu que há matéria suficiente para abrir um processo disciplinar ao Benfica, na sequência das queixas do Sporting. De recordar que o clube de Alvalade apresentou uma queixa sobre o alegado apoio ilegal do Benfica às claques "No Name Boys" e "Diabos Vermelhos", alegando que os ´encarnados` facilitam a entrada de bandeiras, faixas e coreografias no estádio.

O Sporting estranha ainda o facto de nenhum delegado da Liga ter reportado esses eventos no Relatório de Jogos como é obrigatório em todos os encontros disputados no Estádio da Luz. No processo apresentado, o Sporting terá incluído ainda anexos relativos a questões instauradas pelo IPDJ como foco no regulamento de segurança do Estádio da Luz.

De acordo com o jornal Record, o Sporting já tinha interposto um processo contra o Benfica no Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), acusando os ´encarnados` de apoiar as claques ´Diabos Vermelhos` e ´No Name Boys`, nenhuma legalizada no IPDJ o que, de acordo com a Lei 39/2009 do regulamento do combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nos espetáculos desportivos, constitui uma violação do artigo nº 14.

Nesse mesmo processo, remetido no início de abril, o Sporting solicitava-se uma notificação ao Benfica, com caráter urgente, para a conservação das imagens de videovigilância do Estádio da Luz, mais precisamente as referentes aos sectores reservados às duas claques da formação ´encarnada`. O Sporting pretendiam que fossem disponibilizadas as gravações de imagem e som dos referidos sectores e respetivos acessos interiores, assim como do comportamento dos seus adeptos nas zonas em questão, desde a abertura do recinto em dias de jogo até ao seu encerramento, avança o Record.

O processo foi encaminhado para a Comissão de Instrutores da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

Conteúdo publicado por Sportinforma