Futebol

26-04-2017 12:54

Governo analisa várias medidas para diminuir violência

Segundo a lei atual, a avaliação de risco do jogo é da responsabilidade dos clubes de futebol, sendo estes que também têm que requerer a presença das forças de segurança.
Isabel Oneto, secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna

Isabel Oneto, secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

O Governo está a analisar várias medidas para diminuir a violência no futebol, tendo já pedido propostas à PSP e GNR, anunciou hoje a secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto.

"Estamos analisar eventuais medidas que venham a ser tomadas precisamente para diminuir estes fenómenos da violência no desporto que criam sentimentos de insegurança", disse à agência Lusa Isabel Oneto, após ter participado na sessão de abertura do V Congresso Internacional sobre Segurança e Democracia.

A secretária de Estado adiantou que o Ministério da Administração Interna (MAI) já reuniu com as forças de segurança, além de estar a acompanhar todos os fenómenos relacionados com a violência no futebol e em contacto com o Ministério da Educação, designadamente com o secretário de Estado da Juventude e do Desporto.

"Vamos analisar várias medidas, estamos à espera de algumas propostas e vamos analisá-las em conjunto e ver quais são as mais adequadas para dar resposta a estes fenómenos", afirmou, sem avançar com mais pormenores.

No entanto, sublinhou que se deve olhar "para as camadas mais novas, que devem estar educadas para o desporto, camaradagem e espírito de competição dentro das regras que devem marcar a prática desportiva".

Sobre os jogos de futebol não profissional, onde também se têm registados atos de violência, a secretária de Estado explicou que há financiamento para o policiamento deste tipo de eventos desportivos, mas nem todos os clubes fazem o pedido.

Segundo a lei atual, a avaliação de risco do jogo é da responsabilidade dos clubes de futebol, sendo estes que também têm que requerer a presença das forças de segurança.

Com verbas oriundas da Santa Casa da Misericórdia, o MAI financia os jogos de futebol não profissionais de acordo com o escalão e faixa etária em 90, 80 e 50 por cento, ficando o restante da comparticipação às forças de segurança a cargo do clube, acrescentou Isabel Oneto.

A secretária de Estado disse ainda que foi "sempre efetuado policiamento" nos jogos de futebol em que foi solicitado.

O V Congresso Internacional sobre Segurança e Democracia, que se realiza ao longo do dia de hoje na Universidade Nova de Lisboa, vai debater, entre outros temas, a violência no desporto.

Conteúdo publicado por Sportinforma