António Peixoto

06-05-2017 15:17

"Não podemos ter tantos treinadores no SC Braga"

Candidato à presidência do Sporting de Braga mostrou-se desagradado por António Salvador não ter ainda aceitado o seu convite para um debate.
António Pedro Peixoto
Foto: D.R.

António Pedro Peixoto entregou a sua lista e oficializou candidatura à presidência do SC Braga

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

O candidato à presidência do Sporting de Braga António Pedro Peixoto disse hoje que para o clube almejar ser campeão nacional de futebol tem que ter estabilidade no comando técnico, o que, na sua opinião, não tem existido.

António Pedro Peixoto, que falava à margem da entrega da sua lista e consequente oficialização da candidatura ao presidente da mesa da assembleia-geral, José Manuel Fernandes, considerou que o Sporting de Braga "não pode ter tantos treinadores", uma média de "mais do que um por época" no reinado de António Salvador, que, nesta temporada, teve três técnicos: José Peseiro, Jorge Simão e Abel Ferreira.

"No meu programa, temos como princípio atingir o título nacional, mas não basta dizer que quero, tem que haver estabilidade. Não podemos ter tantos treinadores, mais que um por época é impensável para um clube que quer ser campeão. Alguns saíram porque foram contratados por outros clubes, que pagaram a cláusula de rescisão, mas a maioria foi despedida e isso não pode acontecer num clube como o Sporting de Braga. Tem que haver estabilidade ao nível dos jogadores e dos treinadores", afirmou.

O candidato mostrou-se também desagradado por António Salvador não ter ainda aceitado o seu convite para um debate.

"Tivemos dois ou três convites para um debate que aceitámos na hora, mas comunicaram-nos que não haveria debate nenhum. Não sei se é estratégia de António Salvador, mas essa atitude não pode ficar em claro, a falta de debate é um desrespeito para o ato eleitoral, para os sócios e adeptos, para a cidade de Braga e para o futebol em geral", frisou.

O antigo guarda-redes de futsal do Sporting de Braga disse ainda ter "esperança" que possa realizar-se um debate: "não vou desistir e vou continuar a desafiar, não é por mim, é pelos sócios que para votarem têm que ser esclarecidos. Há várias matérias que gostava de contrapor com António Salvador à minha frente", disse.

O advogado bracarense de 40 anos disse estar otimista quanto a uma vitória nas eleições de 27 de maio e recusou a condição de ‘outsider'.

"As expectativas estão cada vez mais elevadas, se vocês andassem pela cidade viam o que estou a dizer. Pode parecer estranho para as pessoas de fora, mas as expetativas estão muito, muito elevadas e acho mesmo que vamos vencer as eleições. Um ‘outsider' é uma pessoa que aparece de fora: se há pessoa da cidade sou eu, se há pessoa que gosta e é adepta deste clube sou eu”.

Para António Pedro Peixoto, "o momento desportivo não é bom" e o responsável pela "época desastrosa" é António Salvador.

"Não é normal ter três treinadores numa época, ainda para mais num clube com a grandeza do Sporting de Braga. Estamos em quinto, com risco de aí não ficar também, ao quarto já não chegamos, é uma época desastrosa a todos os níveis. Competições europeias e Taça de Portugal foi o que foi, Taça da Liga foi a maior desilusão da época, pelo tem que haver responsabilidades, porque não é uma época normal. O quarto era mau, o quinto era impensável, abaixo de quinto nem quero pensar nisso, até me dá calafrios", disse.

Sobre Abel Ferreira, disse ser o seu treinador, tal como Jorge Simão o era.

"É o nosso treinador, é o melhor treinador do mundo, mas não conhecemos o seu trabalho porque não estamos no dia-a-dia. Já falei com ele várias vezes antes de ele ser treinador (da equipa principal) do Braga. É uma pessoa excecional, com um discurso com que me identifico”, rematou.

Conteúdo publicado por Sportinforma