Sporting

10-05-2017 14:30

Jesus vs Bruno de Carvalho: Crónica de um divórcio (quase) anunciado

Possível saída de Jorge Jesus do Sporting pode significar um 'regresso ao passado' na aposta em jogadores da formação.
Jorge Jesus cumprimenta Bruno de Carvalho logo após o final do jogo entre Sporting e Belenenses no Restelo
Foto: Manuel de Almeida

Jorge Jesus cumprimenta Bruno de Carvalho logo após o final do jogo entre Sporting e Belenenses no Restelo

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

O ciclo de Jorge Jesus em Alvalade parece estar ao chegar ao fim de duas temporadas no Sporting com apenas mais um título no palmarés leonino: a conquista da Supertaça no arranque da época 2015/2016. As críticas de Bruno de Carvalho após o final do jogo com o Belenenses parecem traçar um destino de ruptura com Jorge Jesus e perante a possível saída do técnico português é altura de fazer balanços a duas temporadas de poucos títulos e muito futebol ofensivo.

Época 2015/2016

A chegada de Jorge Jesus a Alvalade prometia um novo paradigma no futebol leonino. Depois de três épocas a poupar e a garantir uma base sólida para lutar pelo título com Benfica e FC Porto, Bruno de Carvalho decidiu arriscar e contratar o treinador bicampeão pelos 'rivais' da 2ª Circular.

Com a contratação de Jorge Jesus no início da época 2015/2016, o Sporting assumia definitivamente a candidatura ao título com a conquista da Supertaça Cândido Oliveira frente ao eterno rival Benfica, e um equilíbrio entre jogadores formados em Alcochete, como João Mário, William Carvalho e Adrien Silva, e jogadores com experiência internacional como Teo Gutiérrez, Bryan Ruiz, Aquilani, Coates, Schelotto. Jorge Jesus assumia-se como o principal responsável do futebol leonino a todos os níveis. A equipa do Sporting apresentava o melhor futebol a nível nacional, mas perante o primeiro grande desafio da época não conseguiu o apuramento para a fase de grupos da Liga dos Campeões. Uma derrota na Rússia frente ao CSKA Moscovo atirou a equipa de Jorge Jesus para a Liga Europa, mas o bom futebol praticado deixava os adeptos leoninos a sonhar com vários títulos, ainda para mais depois da vitória por 3-0 no Estádio da Luz, que parecia lançar definitivamente o Sporting na corrida ao título. O bom futebol praticado pela equipa leonina parecia justificar os 6 milhões de euros por ano que Jorge Jesus receberia de salário.

No entanto, antes do final de 2015 o Sporting acabaria por sofrer um duro golpe com a eliminação da Taça de Portugal frente ao SC Braga num jogo com uma arbitragem algo polémica. Quatro dias depois, o Sporting perdia a liderança do campeonato para o FC Porto com uma derrota frente ao União da Madeira por 1-0 e o fantasma de Dezembro voltava a assombrar a aposta as hostes leoninas.

A reação dos 'leões' de Jorge Jesus no arranque de 2016 serenaram os ânimos e o Sporting voltou a reconquistar a liderança do campeonato nacional com um triunfo sobre o FC Porto por 2-0.

Apesar de alguns empates e das eliminações da Taça da Liga e da Liga Europa, a equipa de Jorge Jesus mantinha a aura de principal candidato ao título com vantagem sobre FC Porto e Benfica. No início do mês de março, o Sporting recebia o Benfica com um apenas um ponto sobre o rival da Luz, e parecia seguir embalado para manter a liderança do campeonato depois de somar três vitórias sobre a equipa de Rui Vitória (Supertaça, campeonato e Taça de Portugal), mas um golo solitário de Mitroglou tirou a vantagem dos 'leões' e permitiu aos 'encarnados' agarrar a liderança em Alvalade com dois pontos de avanço. O título acabou por rumar ao rival da Luz e a primeira época de Jorge Jesus saldou-se por 36 vitórias, seis empates e nove derrotas. Os 111 golos marcados em jogos oficiais davam uma média de 2,18 golos por jogo e as expectativas para a época seguinte aumentavam exponencialmente com a continuidade de Jorge Jesus, que viu a renovação do seu contrato alargada até 2019 e anunciada a meio da época por Bruno de Carvalho num voto de confiança do presidente leonino. Para além disso, e segundo as informações veiculadas na altura, o presidente do Sporting deu mais poderes ao técnico leonino e perante o assédio do FC Porto aumentou-lhe substancialmente o vencimento para 8 milhões de euros por ano.
Comparativamente aos antecessores de Jorge Jesus, o Sporting de Leonardo Jardim apresentou uma média de dois golos por jogo num total de 35 jogos. O atual treinador do Mónaco somou em Alvalade um total de 23 vitórias (66%), 8 empates (23%) e apenas 4 derrotas (11%) e garantiu o apuramento direto para a Liga dos Campeões com um orçamento muito inferior ao que dispôs Jorge Jesus.

Já o Sporting de Marco Silva deu continuidade ao bom trabalho que Leonardo Jardim deixou e voltou a apresentar uma percentagem de derrotas inferior à de Jorge Jesus no seu primeiro ano em Alvalade. Na época 2014/2015, o Sporting terminou em terceiro lugar no campeonato, mas conquistou a Taça de Portugal frente ao SC Braga. No total, Marco Silva levou o Sporting a 31 vitórias, 15 empates e apenas 7 derrotas. Com apenas menos seis golos marcados do que a equipa de Jorge Jesus, os 'leões' de Marco Silva apresentaram uma média de 1,98 golos por jogo e de 1,02 golos sofridos por jogo.

Época 2016/2017: Das ressacas europeias à eliminação de quase todas as competições em janeiro

Com a conquista da Supertaça Cândido Oliveira e o segundo lugar no campeonato, o segundo ano de Jorge Jesus começou como na época de estreia: muita ambição pela conquista do título de campeão. Sob indicação de Jorge Jesus, o Sporting assegurou a contratação de vários nomes sonantes para quebrar a hegemonia do Benfica. Chegaram a Alvalade nomes como Lazar Markovic, André, Bas Dost, Joel Campbell e até o regressado Elias. Para além disso, Bruno de Carvalho não olhou a meios e ainda colocou à disposição do técnico jogadores como Beto, Douglas, Alan Ruiz, Marcelo Meli, Petrovic, Luc Castaignos e Lukas Spalvis numa clara inversão de política de contratações.

As quatro vitórias consecutivas no arranque do campeonato nacional e a boa exibição dos 'leões' em pleno Santiago Bernabéu frente ao campeão Europeu Real Madrid prometiam um Sporting à imagem daquilo que tinha sido no ano passado: vertigem ofensiva, posse de bola e nota artística. Apesar dos bons indicativos na derrota em Madrid por 2-1, o regresso do Sporting de Jorge Jesus às competições internas sofreu o primeiro percalço da época com a surpreendente derrota em Vila do Conde por 3-0 diante do Rio Ave de Luís Castro. Na jornada seguinte, o Sporting reagiu bem e venceu o Estoril-Praia por 4-2. No regresso à Liga dos Campeões, os 'leões' de Jorge Jesus somaram um importante triunfo sobre o Légia de Varsóvia por 2-0, mas um empate a 3-3 na deslocação a Guimarães voltou a atrasar o Sporting na corrida ao título e a levantar questões sobre o rendimento da equipa após as jornadas europeias.

Na receção ao Borussia Dortmund, a equipa do Sporting voltava a apresentar bons indicadores, mas uma derrota por 2-1 acabaria por afetar a confiança da equipa no regresso ao campeonato com dois empates consecutivos frente a Tondela e Nacional da Madeira. Na deslocação à Alemanha, Jorge Jesus apostou numa mudança radical no modelo de jogo do Sporting com três centrais e Luc Castaignos no lugar de Bas Dost e acabou por sair derrotado por 1-0 pelo Borussia Dortmund. A derrota em Dortmund hipotecava as esperanças dos 'leões' de seguir em frente na Liga dos Campeões, mas com dois jogos pela frente na prova ainda havia a hipótese matemática.

Com um Estádio de Alvalade totalmente lotado para assistir ao regresso de Cristiano Ronaldo a 'casa', o Sporting voltava a apresentar bom futebol, mas um golo de Varane e a expulsão de João Pereira ditaram uma derrota pela margem mínima que deixava a equipa de Jorge Jesus com a Liga Europa em perspectiva.

Seguiram-se duas vitórias para o campeonato e um triunfo para a Taça da Liga antes de um jogo decisivo para as contas europeias contra o Légia de Varsóvia. Na visita à Polónia, e a quatro dias da deslocação à Luz, o Sporting precisava apenas de um empate para garantir a continuidade nas provas europeias. Com o dérbi da Luz no horizonte, Jorge Jesus apostou numa linha defensiva constituída por três centrais e com Zeegelaar e Bruno César nas alas. A equipa leonina ressentiu-se das alterações no esquema tático e acabou por ser afastada em pleno mês de dezembro das competições europeias com uma derrota por 1-0.

Quatro dias depois, o Sporting visitava o Benfica na 13ª jornada com a possibilidade de ficar a um ponto do líder, mas uma derrota por 2-1 colocou os 'leões' a quatro pontos do primeiro lugar e com algumas queixas de arbitragem.

Afastados das competições europeias e mais longe do primeiro lugar com a derrota caseira com o SC Braga duas jornadas depois do dérbi, a equipa liderada por Jorge Jesus terminava o ano de 2016 com um triunfo sobre o Varzim para a Taça da Liga. No entanto, a crise leonina acentuou-se no início de 2017 com a eliminação da Taça da Liga perante o Vitória de Setúbal e da Taça de Portugal frente ao Chaves. O empate com o Marítimo à 18ª jornada 'empurrava' o Sporting para a quarta posição e os 10 pontos de diferença para o líder Benfica pareciam cada vez mais impossíveis de alcançar.

Inversão na política de contratações em janeiro: regressa a aposta na prata da casa

Com a equipa leonina apenas na luta pelo título em pleno mês de janeiro, a direção do Sporting decidiu recuar na sua política de aposta em jogadores internacionais e virou-se para dentro, para a prata da casa, e interrompeu o empréstimo de vários jogadores como Podence, Francisco Geraldes, Rayn Gauld ou João Palhinha. Elias, Markovic, Petrovic, André e Meli saíram no mercado de janeiro numa óbvia redução no plantel liderado por Jorge Jesus.

No arranque do mês de fevereiro, o Sporting visitava o Dragão à 20ª jornada e estava obrigado a vencer para relançar a sua candidatura ao título. No entanto, uma derrota por 2-1 retirava grande parte das aspirações ao título por parte dos 'leões'. Jorge Jesus voltou a apostar numa surpresa no onze inicial, e mais uma vez, esta época, falhava na sua aposta em Matheus Pereira e Marvin Zeegelaar.

Perante a inevitabilidade de lutar apenas pelo segundo lugar, o Sporting reagiu, e já sem a pressão de lutar pelo título, conseguiu uma série importante de 11 jogos consecutivos sem perder. No entanto, e com a possibilidade de poder ascender ao segundo posto do campeonato perante a série de empates do FC Porto, o Sporting de Jorge Jesus voltou a falhar, em casa, frente ao Belenenses, com uma derrota histórica por 3-1, a primeira em 62 anos diante do emblema do Restelo em casa para o campeonato.

No final do jogo, Bruno de Carvalho foi cáustico com a exibição da equipa e enviou recados internos para o que se avizinha na próxima época. Uma das expressões usadas pelo líder leonino para criticar a derrota do Sporting frente ao Belenenses foi claramente uma 'indireta' a Jorge Jesus quando disse que, "Não me interessa o caudal ofensivo da equipa, interessa-me é vencer. Para mim chega. Tudo tem de ser diferente na próxima época".

Ora, a duas jornadas de terminar a época 2016/2017, os dois anos de Jorge Jesus em Alvalade saldam-se, até ao momento, por um total de 92 jogos, 61 vitórias, 12 empates e 19 derrotas. Com um total de 184 golos marcados, os 'leões' de Jorge Jesus apresentam uma média de dois golos por jogo e de 0,95 golos sofridos por encontro. O atual técnico do Sporting tem a mesma média de 66% de vitórias do que Leonardo Jardim e de menos empates (12%) do que Marco Silva (28%) e Leonardo Jardim (23%).

No entanto, a possível saída do técnico no final desta época coloca algumas dúvidas sobre o futuro do futebol leonino, uma vez que o atual treinador foi um dos rostos de apoio à recandidatura de Bruno de Carvalho e uma das 'peça' fundamentais para a estrutura desportiva idealizada pelo líder leonino para os próximos anos.

Apesar das informações veiculadas pela imprensa sobre o iminente divórcio entre Bruno de Carvalho e Jorge Jesus ainda há a possibilidade para uma reaproximação de ambos caso o técnico leonino reconquiste os poderes de decisão que perdeu em janeiro, nomeadamente o poder de escolha dos jogadores a contratar.

Conteúdo publicado por Sportinforma