Futebol

26-05-2017 23:59

Desportivo de Chaves aumenta quotas pelo segundo ano consecutivo

A proposta de alteração de quotas para a época 2017/18 foi aprovada com 941 votos a favor, 362 contra e 211 abstenções.
Bruno Carvalho reeleito presidente da direção do Desportivo de Chaves
Foto: Desportivo Chaves

Desportivo de Chaves aumenta quotas pelo segundo ano consecutivo

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

O Desportivo de Chaves, da I Liga portuguesa de futebol, aprovou hoje, em assembleia-geral, o aumento das quotas, pelo segundo ano consecutivo, para amortizar os custos da SAD na remodelação e modernização do estádio municipal.

“O aumento das quotas está relacionado com o investimento da SAD no melhoramento das condições do Estádio Municipal Eng.º Manuel Branco Teixeira, concretamente pela remodelação total da bancada topo sul e a cobertura e modernização da atual bancada central descoberta”, justificou o presidente da direção do emblema ‘azul-grená’, Bruno Carvalho.

As quotas, cujo valor se manteve inalterado entre 2011 e 2016, aumentaram o ano passado e, pela primeira vez na história do clube, os sócios passaram a pagar cinco euros em todos os jogos da equipa de futebol.

Além do aumento, o clube decidiu acabar com as categorias de correspondentes e emigrantes.

Na bancada central, os adultos pagam 120 euros em vez de 100 euros, os menores entre os sete e 17 anos e os reformados sofreram um aumento de 10 euros, passando de 50 para 60 euros e de 80 para 90 euros, respetivamente.

Já na bancada superior central, os adultos pagam 100 euros em vez de 60 euros e os menores viram as quotas aumentar de 30 para 50 euros.

A bancada superior lateral também sofreu alterações, com os adultos a pagarem 80 euros em vez de 50 euros e os menores passaram de 25 para 40 euros. Os atletas do clube têm livre trânsito.

A proposta de alteração de quotas para a época 2017/18 foi aprovada com 941 votos a favor, 362 contra e 211 abstenções.

Além desta questão, os sócios aprovaram ainda, por maioria, a alteração dos estatutos, fazendo com que a reeleição dos corpos gerentes não esteja sujeita à limitação de mandatos.

Conteúdo publicado por Sportinforma