Primeira Liga

03-06-2017 22:57

Sócios do Vitória de Guimarães aprovam mudança do nome do pavilhão do clube

Os sócios do Vitória de Guimarães, emblema da I Liga portuguesa de futebol, aprovaram hoje por maioria, em assembleia-geral, a adoção do nome Pavilhão Desportivo Unidade Vimaranense para a instalação desportiva do clube.
Adeptos do Vitória de Guimarães no Jamor
Foto: MIGUEL A. LOPES/LUSA

Adeptos do Vitória de Guimarães no Jamor

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

Os sócios do Vitória de Guimarães, emblema da I Liga portuguesa de futebol, aprovaram hoje por maioria, em assembleia-geral, a adoção do nome Pavilhão Desportivo Unidade Vimaranense para a instalação desportiva do clube.

O pavilhão, onde decorreu precisamente a reunião magna de sócios, antes denominado Pavilhão do Vitória Sport Clube, vai ter doravante o nome da associação cívica que existiu nas décadas de 1970 e 1980 e cedeu ao clube o terreno onde hoje se situa o complexo desportivo, depois de apresentada, discutida e votada a proposta da direção.

Os sócios vitorianos presentes na assembleia-geral aprovaram igualmente, também por maioria, o orçamento apresentado pelo elenco liderado por Júlio Mendes para a temporada 2017/18, que prevê um resultado líquido negativo de 174.614 euros.

A proposta inclui as atividades desportivas do clube, não as da SAD (futebol profissional e parte do futebol de formação), e a previsão negativa resulta das amortizações e depreciações de quase 885 mil euros, uma vez que o resultado operacional (EBITDA) é positivo, aproximando-se dos 970 mil euros

Este orçamento prevê rendimentos na ordem dos 3,98 milhões de euros, com mais receitas previstas na quotização e na gestão do património, e gastos de 3,01 milhões (aumento de 6,7%), que sobem para os 725 mil euros nas modalidades - apresentam prejuízo de 183 mil - e para os 372 mil na gestão das piscinas - resultado negativo de 55 mil.

O Conselho Fiscal do Vitória de Guimarães, presidido por Eduardo Leite, emitiu "um parecer favorável por unanimidade" ao orçamento, considerando, porém, "essencial" que se percebam os valores disponíveis para o "investimento nas modalidades e no financiamento da exploração deficitária das piscinas".

Conteúdo publicado por Sportinforma